Edinho age de forma “imperativa” e “mente” para construir o PCCV, diz servidor


Edinho age de forma “imperativa” e “mente” para construir o PCCV, diz servidor

Usando da tribuna popular na sessão desta terça-feira (14), servidor desmente prefeito sobre construção do PCCV

Articulacao Landin

Enquanto servidores municipais faziam sua assembleia em frente à Câmara, fechando a Rua São Bento, dentro da Casa Paulo Landin (PT) articulava colocar na pauta do dia a votação do projeto elaborado pelo Executivo sobre o reajuste do funcionalismo público.

Se de um lado Landim buscava explicar aos vereadores que era necessária a votação, o servidor Claudemir Conte que fez parte do Comitê de Gestão Democrática montado pelo prefeito Edinho Silva, visando deliberar sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos PCCV, o servidor afirmava que a comissão apenas opinava, mas não decidia. Inclusive foram vencidos por Edinho que queria um regime estatutário para os servidores ao seu modo, disse ele.

Conte SamuClaudemir Conte é servidor público no SAMU

“Muitas propostas aprovadas pelo comitê foram distorcidas pelo prefeito, fazendo com isso, que muitos servidores deixassem a comissão. Ou seja, tudo que se constrói não é respeitado pelo Executivo”, afirmou o integrante do Comitê.

Conte que é funcionário do SAMU, disse também que enviou ao prefeito e a Secretária da Saúde Eliana Honain, 14 apontamentos relacionados a seu setor, algumas até sanitária, e todas foram negadas. Edio Lopes (PT), em uma intervenção pediu para que Conte passasse essas reivindicações para que ele (vereador) tente construir um diálogo capaz de atender os Funcionários do SAMU.

Disse ainda que todas as decisões referentes ao Comitê Gestor enviadas à Câmara foram decididas de forma “imperativa” pelo presidente que é o prefeito Edinho Silva. Diante disto, Conte se retirou da Comissão. “Nada que tem aqui foi construído pelo comitê gestor, muito pelo contrário, além de nossas reivindicações não serem atendidas, foram ignoradas, e ainda ouvimos ele dizer na imprensa que fomos nós quem construímos, isso não é verdade ”- afirmou o servidor.

Segundo Claudemir, os servidores não aprovam a peça que o prefeito enviou a Casa de Leis sobre o PCCV. “Não é ceifando as idéias que chegaremos à democracia, a participação não foi respeitada, peço aos vereadores que não levem à frente este PCCV que o prefeito enviou, não representa os servidores” – finalizou Conte.