Início Cidade

Isolamento social em Araraquara está em 42%, segundo o SIMI. Pode complicar.

O índice de isolamento é o mais baixo dos últimos dias e preocupa autoridades da Saúde, pois cada infectado transmite a doença para cerca de 3 pessoas

60
Baixo isolamento pode provocar maior a velocidade de transmissão, e maior o risco de uma possível sobrecarga no sistema de saúde

Cerca de 80 mil pessoas estão deixando suas casas diariamente e circulando pelas ruas da cidade; muitas saem para o trabalho, outras para as compras e o centro antigo de Araraquara também tem mostrado alta freqüência nas agências bancárias.

Curioso é que nesta tarde de quarta-feira (29) foi anunciado que o Brasil tem o maior número de reprodução de Covid-19 (doença provocada pelo coronavírus) entre 48 países analisados pelo Imperial College de Londres. O indicador, também chamado de R, mostra para quantas pessoas cada infectado transmite a doença.

Quanto mais alto, maior a velocidade de transmissão, e maior o risco de uma possível sobrecarga no sistema de saúde.

Na semana que começou nesta segunda (26), o R do Brasil era 2,81, ou seja, cada infectado transmite a doença para cerca de 3 pessoas, segundo as estimativas do centro de doenças infecciosas da universidade (MRC), um dos mais respeitados do mundo na análise de epidemias.

Em vários países do mundo, governos têm considerado que as restrições de mobilidade só podem ser relaxadas sem risco para o sistema de saúde se o número de reprodução estiver abaixo de 1.

Na Alemanha, considerada uma das nações mais bem-sucedidas no controle da doença, o número de reprodução calculado pelo MRC é 0,8 (com uma variação de 0,65 a 1,14).

Ao lado dos Estados Unidos, o Brasil é um dos 2 únicos países com previsão de mais de 5.000 mortes para a próxima semana, e a tendência é de crescimento nos contágios, segundo o estudo, assinado por 47 pesquisadores.

O isolamento social seria a solução, porém Araraquara está com média muito baixa – 42%, enquanto cidades como São Sebastião e Ubatuba têm 64% e 62%, respectivamente. Grande parte da população não está saindo de casa.

Publicação feita nesta quarta pelo SIMI