Início Destaques

Anvisa libera uso emergencial das vacinas Oxford e CoronaVac

Imunizantes tem maioria de votos necessária

43

O Brasil poderá iniciar seu programa de imunizações contra o novo coronavírus. Na tarde deste domingo, 17, a diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou,  por enquanto de forma unânime, o uso emergencial de dois projetos de combate à covid-19. Assim, a CoronaVac e a vacina da Universidade de Oxford ganharam aval por parte do órgão.

A aprovação do uso emergencial das duas vacinas já contou com voto “sim” da maioria dos diretores da Anvisa. Na função de relatora das duas solicitações, Meiruze Sousa Freitas foi a primeira a validar os dois imunizantes. Na sequência, ela foi acompanhada por outros dois diretores: Romison Rodrigues Mota e Alex Machado Campos — Antonio Barra Torres (diretor-presidente da Anvisa) e Cristiane Rose Jourdan Gomes.

“Nossos servidores compõem a lista de verdadeiros heróis no enfrentamento à pandemia”

Além de divulgar seu parecer, Meiruze elogiou o trabalho realizado ao longo dos últimos meses pela equipe da própria Anvisa. “Juntamente com os profissionais da saúde, os cientistas e os desenvolvedores de vacina, nossos servidores compõem a lista de verdadeiros heróis no enfrentamento à pandemia”, afirmou ela, que responde pela segunda diretoria da agência.

Aprovada, mas…

Mesmo votando pela liberação do uso emergencial, e sendo acompanhada por seus pares, a diretora da Anvisa fez observações a respeito da CoronaVac. Em meio à leitura do voto, destacou o fato de o imunizante ainda não ter aprovação em definitivo nem em seu país de origem, a China, tendo aplicação em massa liberada somente na Indonésia e na Turquia.

Meiruze não foi a única a fazer ressalvas ao projeto publicamente defendido pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Em apresentação no início da reunião de hoje, o gerente-geral de medicamentos da Anvisa, Gustavo Mendes Lima, afirmou que os dados apresentados “não foram considerados adequados”. Segundo ele, não havia informações quantitativas e qualitativas necessárias.

AS VACINAS

A CoronaVac é desenvolvida pelo Instituto Butantan, de São Paulo, em parceria com o laboratório chinês Sinovac Biotech. Também com uso emergencial validado, a chamada vacina da Universidade de Oxford, do Reino Unido, é desenvolvida em conjunto com a farmacêutica europeia AstraZeneca. No Brasil, o projeto tem seus testes administrados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Rio de Janeiro.