Início Agronegócio

Etanol de milho: com baixa demanda, usinas suspendem atividades

Scot Consultoria afirma que queda no preço internacional do petróleo também afetou diretamente a competitividade do etanol na comparação com a gasolina

19

A Scot Consultoria afirma que desde meados de março, as usinas de etanol (milho e cana) sofrem com a retração do consumo de combustíveis, devido às medidas de restrições de circulação em função do coronavírus. Além disso, a queda no preço do petróleo afetou diretamente a competitividade da gasolina frente ao etanol, provocando uma queda de preço do combustível.

A situação é agravada pela projeção de produção brasileira de etanol de milho, que deverá ser de 1,64 bilhão de litros em 2019/2020 segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O incremento é de 107,4% frente a safra passada 2018/2019). Se confirmado, o volume será recorde.

A partir da cana-de-açúcar, serão produzidos 34 bilhões de litros de etanol, o que corresponde a 95,4% da produção de etanol (milho e soja) no país, que está estimada em 35,6 bilhões de litros nesta temporada.

Diante desse quadro, boa parte das usinas de etanol de milho suspenderam as atividades em abril. Com isso, os negócios com DDG e WDG, que são coprodutos da produção de etanol de milho, foram os estabelecidos anteriormente através de contratos para a retirada ao longo de 2020. Novas compras ou contratos futuros estão suspensos, por ora.