Início Artigo

Filipa Brunelli coloca a Câmara de Araraquara em xeque-mate

Por Ivan Roberto Peroni

30

O que será que está acontecendo dentro da Câmara Municipal de Araraquara para que a vereadora Filipa Brunelli, publicamente diga – “Posso não aprovar nenhum Projeto de Lei, mas irei denunciar até meu último dia como vereadora dentro desta casa, a sujeira que lá habita. Sou violentada, desrespeitada, menosprezada diariamente enquanto travesti dentro desta casa de leis, porém não tinha ficado tão explícito o posicionamento dos pares, quer dizer dos vereadores”.

Creio que ao falar isso a céu aberto a vereadora coloca em dúvida o trabalho da presidência, faz críticas ao comportamento da mesa diretora, ofende os parlamentares que não rezam a sua cartilha e ao público mostra que – a sujeira que lá habita está sendo empurrada pra debaixo do tapete, se é que de fato existe. Ou eu estou enganado.

Corajosa e convicta no que está falando e escrevendo, sua narrativa tem que ser levada a sério, do contrário a Câmara vai estar concordando com as acusações e ao mesmo tempo tornando-se omissa, além de prevaricar e negligenciar, pois a bem da verdade não falou se “a sujeira” referida, é fruto do preconceito, atos de corrupção, leviandades. Que se comprovem tais atos, pois se isso não ocorrer logo a população poderá entender como sendo holofotes para um aparecer midiático em início de carreira, já que é seu primeiro mandato.

Dito ou não dito grande parte dos vereadores está num mato sem cachorro, no entanto, pelo que conhecemos, o Boi – Aluísio Braz, não vai deixar barato, pelo seu comportamento ético; como presidente tem o dever e obrigação de preservar a idoneidade do Legislativo e os princípios históricos de um Poder Legislativo,  que consideramos pilar da democracia e vertente que sustenta ao lado do Executivo e do Judiciário, a nossa constituição.

A mesa, da qual faz parte o próprio PT, deve imaginar que enquanto bancada de um partido, também não pode compactuar com os desmandos e as mazelas se é que existem. E os demais, pelo menos 11 vereadores considerados por Filipa como sendo LGBTfóbicos que expliquem o que ela – Filipa quer dizer com a sujeira. E nós, de todos, exigimos explicações, pois a Câmara é paga com recursos provenientes de impostos.

*Ivan Roberto Peroni, jornalista e membro  da ABI, Associação Brasileira de Imprensa

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do RCIARARAQUARA.COM.BR