Início Artigo

Bandidagem Organizada 5 x Segurança Desorganizada 0, em nosso Estado

Por Ivan Roberto Peroni

46

Uma nova agência bancária teve o seu sistema de segurança arrebentado, os cofres estourados por dinamite e dinheiro roubado. Desta feita, a pequena Gavião Peixoto com seus 5 mil habitantes estremeceu na madrugada desta segunda-feira. Bandidagem não dorme e nem deixa os outros dormirem. Mas, cá entre nós, quem está em sono profundo, é a polícia, a segurança pública que com dois roubos em menos de uma semana se vê como barata tonta sem saber por onde começar e como começar.

Bastou o espetáculo de pirotecnia acontecer na terça-feira passada para o ilustre governador João Doria vir a público e anunciar a contratação de quase 7 mil novos policiais, que com tanta burocracia neste estado de coisas e de São Paulo, só devem começar a trabalhar sabe Deus quando. Vivemos um momento de segurança pública falida onde em cidades pequenas podemos contar nos dedos quantos policiais civis e militares exercem suas funções.

Em meio a esta calamidade de roubos observa-se a preocupação dos governos em exercitar a política como fonte de vaidade, ganância e poder. Nota-se que as autoridades policiais se abstém das denúncias contra o Estado, se fecham em quartéis e delegacias e se calam quando questionados pela imprensa para dizer – o que efetivamente se passa. Sequer contam – o número de profissionais que trabalham, quantos teriam que compor suas corporações e unidades, e lamentavelmente deixam transparecer que – para que brigar se temos promoções, reformas, reservas, etc?.

Repito – para que brigar? O alto comando faz a opção do silêncio, da calmaria, do deixa levar, rezando simultaneamente a mesma cartilha de governos e políticos que pecam pela omissão, negligência, imprudência chegando ao extremo da irresponsabilidade.

Vendo o que aconteceu em Araraquara na semana passada e nesta madrugada de segunda-feira em Gavião Peixoto imaginamos de forma lamentável que estamos colhendo o que nós plantamos, pois sempre, sempre mesmo, colocamos no poder este tipo de gente que a partir do ano que vem vai estar rodeando novamente sua casa pedindo voto para a presidência da República, governador, senador, deputado federal e deputado estadual.

Como se num passe de mágica começarão a surgir, pontes e viadutos, escolas, creches, hospitais e, na mistura desta salada eleitoreira virá com certeza a exclamação – esse cara é bom. Bom prá quem, se faz uns três anos que os moradores do Bairro dos Machados e de Guarapiranga pedem pelo amor de Deus a construção de uma pontezinha que os permita atravessar em paz, daqui prá lá e de lá prá cá e o governo não resolve.

Estava certa minha avó quando dizia – beleza não se põe na mesa. Olho agora e vejo governos “empiriquitados”, ternos fabricados – por Yves Saint Laurent ou no mínimo por um Rodrigo Almeida, o paulistano que domina como ninguém a arte de vestir o homem com um visual pautado na elegância clássica, sem deixar de garantir a silhueta moderna e confortável. É ele o costureiro do nosso estimado João Dória, seu principal cliente.

É verdade que nada temos a ver com a vida pontilhada de riquezas do governador, mas temos com o tratamento dispensado ao povo paulista, sendo às vezes prepotente e arrogante, como se a segurança pública de um Estado fosse brinquedo nas mãos da bandidagem que nos atemoriza e nos faz menores, cada vez mais. Vamos assumir, que a culpa é nossa. Cada um escolhe seu destino…

*Ivan Roberto Peroni, jornalista e membro  da ABI, Associação Brasileira de Imprensa

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do RCIARARAQUARA.COM.BR