Início Artigo

Era uma vez um time que apostava na base

Por Adilson João Tellaroli

41

Quem não se lembra das equipes formadas por Picolím ou Vail Motta para os campeonatos amadores com jogadores futuramente guindados ao time profissional da Ferroviária?

Todos diziam que o clube grená era um “celeiro de craques” e ainda em passado não muito distante, vivemos isso. Lembram-se do Tóta? Mas agora que o clube se profissionalizou, parece que tudo está sendo esquecido. Temos visto noticiário a respeito do trabalho feito na base, com profissionais e estrutura mais adequada, embora ainda longe do ideal, o que certamente poderá vir com o CT que se pretende construir. Vários jovens ainda despontam mas o problema é que dificilmente são aproveitados por aqui.

Parece haver uma ansiedade, para não dizer precipitação em fazer negócio com o primeiro interessado. Alguém irá dizer que os tempos são outros e as oportunidades não podem ser perdidas. Mas convém lembrar que no momento, a Ferroviária tem uma empresa por trás e embora o objetivo seja faturar, o que é natural, tanto ela como o clube, não precisam tão urgentemente desse dinheiro para sobreviver.

Sem fazer muito esforço, a torcida pode contar os jogadores que poderiam estar integrando o time principal e foram embora. Felipe Estrela voltou por circunstâncias mas não chegou antes a ser aproveitado no time profissional. Agora o jovem zagueiro Gustavo Medina também está sendo negociado com o Cruzeiro e segundo dizem, foi firmada uma parceria entre os dois clubes. O time mineiro recentemente levou Claudinho, jovem meia-atacante que estava entrosado no time principal e saiu faltando apenas duas rodadas para o término do Paulistão, onde a Ferroviária corria risco de rebaixamento!

Demos sorte. Jogamos bem as duas partidas que faltavam e permanecermos. E se tivesse dado “zebra”? Quem iria explicar essa negociação antecipada? Claudinho fez falta, principalmente domingo contra a Inter na Arena, quando o meio de campo não andou e o time sucumbiu feio, sendo eliminado.

Senhores dirigentes afeanos, mirem-se no exemplo do Mirassol. Uma cidade menor que a nossa, com uma equipe que fez boa campanha ano passado, repete a dose este ano. Perdeu meio time durante a pandemia, aproveitou garotos da base mesclados com jogadores experientes e está seguindo em frente! Não seria bom pensar melhor com respeito ao aproveitamento dos jovens? E o que pensam, disso os treinadores? Sergio Soares não foi ouvido e Cavalcanti parece ir pelo mesmo caminho. O que importa é fazer negócio?  Ou é melhor pagar por jogadores disponíveis no mercado como vem ocorrendo? Muitas perguntas, leitor? Então termino com uma exclamação. “Que saudades dos tempos em que a Ferroviária revelava e aproveitava seus jovens jogadores!”

*Adilson João Tellaroli – conhecido como “bola branca”, é jornalista esportivo e faz parte do Portal RCIA

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do RCIARARAQUARA.COM.BR