Início Cidade

Araraquarense é comparado à “velha surda” após aglomeração em mercados

Na mesma velocidade que o araraquarense lotou os mercados, os memes começaram a circular nas redes sociais

612
"Velha surda" tem entendimento equivocado das informações

Seria cômico se não fosse trágico. Foi só a notícia do novo decreto com lockdown total circular pela cidade que os supermercados ficaram lotados, com filas enormes, que se formaram também nos postos de combustíveis, causando aglomeração nos quatro cantos da cidade. 

Mesmo com o impacto negativo de tanta gente junta, pode aumentar ainda mais o contágio, que é tudo que a Prefeitura quer evitar, o medo de ficar sem comida e combustível foi maior em muitas pessoas do que o temor pela doença, embora o fechamento total seja de apenas 60 horas, começando no domingo às 12h e terminando às 23h59 de terça-feira.

Na mesma velocidade que o araraquarense lotou os mercados, os memes (expressão de usada para descrever um conceito de imagem, vídeos e GIFs relacionados ao humor, que se espalha via Internet) começaram a circular nas redes sociais. Em um deles, o araraquarense foi comparado à “Velha Surda”, personagem cômica do rádio e da televisão do Brasil, protagonista de um quadro célebre da Praça da Alegria, A Praça É Nossa e outros programas de humor.

Baseado nas incompreensões e entendimentos equivocados da “velha surda” (personagem criada e interpretada por Roni Rios até 2001) na interação da  com seu interlocutor, o quadro é muito utilizado para a criação de memes em todo o Brasil. 

Na arte em que é comparada ao araraquarense, é utilizada a imagem de Carlos Alberto de Nóbrega como interlocutor, que diz: “É para evitar aglomeração!” E ela rebate: “É pra ir no Atacadão?”. Ele continua: “É pra evitar lugares aglomerados!” E ela: “É pra ir ao Savegnago?” 

A piada se espalhou rapidamente e viralizou nas redes sociais, sendo compartilhada em várias páginas e perfis. E novos memes surgem a cada dia, fazendo as pessoas rirem um pouco em meio a tanta tragédia. “Fica em casa, se preserve!”. “É pra ir no Jaú Serve?”