Coronavírus: a descoberta da pesquisadora araraquarense no Instituto de Química

Biossensores desenvolvidos pelo CDMF têm potencial para uso em diagnóstico do novo coronavírus

1572

A pesquisadora Glenda Biasotto, pós – doutoranda na Universidade Estadual Paulista (Unesp) Araraquara e integrante do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), sob supervisão de Maria Aparecida Zaghete, professora do Instituto de Química de Araraquara da Unesp e coordenadora de pesquisa do CDMF, fala sobre os estudos que desenvolve na área de funcionalização biossensores para utilização em testes diagnósticos.

Em trabalhos recentes, a pesquisadora integrou dispositivos sensores com aerogéis de grafeno com nanopartículas de ouro e com nanopartículas de prata, sintetizados em parceria com a Universidade de Turim.

Os biossensores obtidos apresentaram alta sensibilidade para detecção de moléculas de RNA, indicando um grande potencial para sua utilização em testes diagnósticos para o vírus SARS-CoV-2, responsável pela pandemia de COVID – 19.