Início Cidade

Em busca de álcool em gel, população faz fila na Araquímica

O estabelecimento vende em média mil litros por dia, limitando dois por pessoa. “O Procon já esteve na loja e verificou que os preços são mais do que justo”- diz o gerente

1767
Fila na manhã desta quinta-feira (19)

A alta procura de álcool em gel devido à pandemia de coronavírus tem gerado filas em estabelecimentos que tem o produto em estoque. Em Araraquara não é diferente

De acordo com o gerente comercial da Araquímica, Cesar Martins, a empresa tem vendido nos últimos dias cerca de mil litros diariamente. “Estamos limitando dois litros por pessoa, pois muita gente quer levar 20 ou 30 litros e neste momento fará falta para pessoas que necessitam”, diz ele.

A empresa também tem organizado a fila fora da loja para evitar aglomeração e também dar espaço a clientes que vão fazer suas compras e levar outros itens que a loja disponibiliza, já que a variedade de produtos de limpeza e higiene é muito grande.

A fila é somente para quem procura álcool em gel, evitando assim, aglomeração dentro da loja

Ainda segundo Cesar, a fila é somente para quem quer comprar Álcool Gel, e ressalta que já houve problemas, pois as pessoas diziam em rede social que a Araquímica estava vendendo com preço abusivo. Nesta quarta-feira (18), o Procon foi até a loja e verificou que os preços são mais do que justo. “O litro sai por R$19,80 e o galão de 5 litros por R$69,90, sem contar que a matéria prima teve um aumento de cerca de 1000%. Fechamos uma parceria com uma empresa para este momento de crise, onde todos devemos enfrentar o coronavírus”- ressaltou.

A Araquímica também tem feito doações de álcool em gel para o Asilo São Francisco e Casa da Sopa.

Perguntado se as vendas aumentaram o gerente diz que houve queda, pois ele fornece material de limpeza e higiene para escolas, restaurantes e clínicas e que no momento estão sem movimento, portanto deixaram de consumir.

Vale ressaltar que água e sabão tem mais eficácia do que álcool em gel, que deve ser usado apenas quando não há a possibilidade de se lavar as mãos.