Início Cidade

Tomada pela ômicron, Araraquara antecipa abertura de novos leitos

Mais 15 leitos de enfermaria devem começar a funcionar no primeiro dia de fevereiro

45
Eliana Honain diz que, além do impacto da ômicron, número de casos aumentou devido ao relaxamento das medidas de segurança, como o uso de máscara

A ômicron começou a circular em Araraquara no início de dezembro do ano passado, segundo pesquisadores da Unesp. Em dois meses ela já domina os sequenciamentos de casos de covid na cidade. Neste mês de janeiro, a ômicron já representa 100% dos casos, consequentemente é reponsável pelas 18 mortes de 2022.

A contaminação dessa nova variante é mais rápida e tem feito as taxas de ocupação de leitos subirem rapidamente. Nesta semana, as vagas em enfermaria quase se esgotaram e os leitos de UTI bateram a marca de 60% de ocupação. Em todo o Estado, novos casos de covid crescem em progressão geométrica.

Nesse cenário, a Secretaria Estadual de Saúde solicitou a abertura de novos leitos para atendimento de pacientes com covid em várias regiões. A Prefeitura de Araraquara já se mobiliza para reabrir 15 leitos de enfermaria para atendimento de pacientes com Covid-19 da cidade e região.

Segundo a secretária de Saúde de Araraquara, Eliana Honain, os novos leitos devem estar prontos para utilização até o próximo dia 1º na estrutura do Hospital da Solidariedade (Hospital de Campanha). “O objetivo é dar conta do aumento da demanda por internações na região nos últimos dias”, salienta.

Apenas uma ala do Hospital da Solidariedade deverá ser reativada, não prejudicando os atendimentos que ocorrem no local com a estrutura do Centro de Referência em Testagem Covid-19. “Uma das principais formas de enfrentamento à Covid, para redução de números de casos, é o isolamento do paciente contaminado. E isso só é possível com a identificação do mesmo por meio da testagem”, completa.

Para Eliana Honain, além de ser reflexo da chegada da ômicron, que é mais transmissível, o aumento significativo do número de contaminações “também é resultado de um certo relaxamento das medidas de segurança, em especial, o uso de máscaras”, destaca.