Home Cultura e Lazer

Artistas locais contam a história da Ferrovia de Araraquara em projeto do Sesc

Mini documentário “Expressões da Cidade: Nos Trilhos da Cidade" visa resgatar a memória afetiva do araraquarense, bem como fomentar o turismo social

101
Material também está disponível no You Tube do Sesc. (Foto: Divulgação)

A ferrovia faz parte da história do Brasil, invadindo, diretamente, a vida de muitas pessoas, de diferentes gerações. Em Araraquara, essa presença é intensa até os dias de hoje, afinal, a linha férrea corta a cidade e seus sons podem ser ouvidos em diversos bairros da Morada do Sol.

Pegando carona nesta premissa recheada de poesia e gostos, artistas araraquarenses se juntaram para produzir o mini documentário “Expressões da Cidade: Nos Trilhos da Cidade”, feito a partir de um convite do Sesc local dentro da sua programação ligada ao Turismo. (Confira o material no fim desta reportagem)

A responsável pelo projeto, Tania Capel (Foto: Arquivo Pessoal)

Para a atriz e produtora cultural Tania Capel, responsável pela direção do projeto, o grande desafio dessa empreitada foi o desenvolvimento da ideia através de um olhar digital, uma imposição do cenário pandêmico.

“Conversando com a Karla Hamabata, da programação do Sesc, pensamos um formato para trazer alguns pontos dos roteiros que fazem parte da programação, mas que contassem a história de Araraquara para além das nossas fronteiras, já que a virtualidade amplia o alcance”, comenta.

Assim, criou-se um roteiro que conta a história da Ferrovia e também de dois importantes museus da cidade: o Ferroviário e o do Futebol. “Fazemos, assim, um convite para a memória afetiva do araraquarense e também mostramos o potencial turístico desses locais para futuros visitantes pós-pandemia”, explica.

Além de Tania, participam de “Expressões da Cidade: Nos Trilhos da Cidade”: Luciano Salles, responsável pelas ilustrações, Denis Wan-Dick Corbi, que construiu a paisagem sonora; Paulo Delfini, cineasta responsável pela edição de vídeo e Eloá De Lucca, que1 fez a interpretação em libras. “Foi incrível poder trabalhar com todos”, finaliza.

(Por Matheus Vieira)