Início Cultura e Lazer

CRÔNICA – Anaconda vive no imaginário e no fígado do araraquarense

Portal RCIA reedita crônicas sobre a Anaconda Araraquarense, a cobra do Pinheirinho

200

Desde o final do século 19, após o massacre dos Britos, uma serpente vive no imaginário do araraquarense. Colocaram-na debaixo da Igreja Matriz e uma lenda urbana nasceu. Há trabalhos acadêmicos sobre isso. Segundo a lenda criada, se as obras da igreja fossem concluídas, ela reapareceria para derrubá-la.

Mais de cem anos se passaram e, em meados dos anos 2.000, sem querer, acordei a serpente. Explico. Certo dia, assisti ao filme “Peixe Grande”, de Tim Burton, que, resumindo, contava a história de um filho indo visitar seu pai em estado terminal de câncer e, no caminho, refletiu sobre as histórias fantásticas que seu pai contava.

Confesso que me emocionei, pois vivia situação semelhante com o meu pai. Trabalhava no jornal O Imparcial. Havia feito algumas matérias/reportagens com conteúdo cultural importante, como um caderno especial sobre Lívio Abramo, renomado gravurista nascido em Araraquara, inclusive com relatos de sua irmã, ainda viva na época, a atriz Lélia Abramo.

A verdade é que ninguém dava a mínima importância para esse tipo de conteúdo. Conclui que as pessoas estavam interessadas apenas nas páginas sociais, nas piadas publicáveis, em material sobre celebridades e futilidades em geral… Sentei-me em frente ao computador e resolvi experimentar “escrever besteiras”. E assim foi: “Mostro gigante aterroriza população no Pinheirinho”.

Apesar de ter sido publicada numa página apropriada, como crônica, a “informação” tomou uma proporção que eu nunca imaginaria. Via a página recortada e xerox pregados em paredes de bares, crianças desenhando o animal em aulas de desenho nas escolas, o assunto foi tomando grande proporção na cidade, como se já estivesse latente na memória do araraquarense.

O jornal esgotou as vendas e dona Cecília, queridíssima diretora da publicação, me alertou a colocar como “chapéu” do texto a palavra “crônica” para alertar o leitor. Nem assim adiantou. A cada domingo, uma nova história. Teve uma vez que até o diretor da Penitenciária ligou no jornal, porque resolvi unir a lenda antiga à nova história, criando um túnel subterrâneo ligando a Matriz ao Pinheirinho, habitat da Anaconda nos anos 2000. A “notícia” chegou até os engenheiros do metrô de Caracas, na Venezuela. Devo ter exagerado nas dimensões do túnel.

Houve um dia em que cheguei ao jornal e a Lurdinha, que cuidava do financeiro e atendia algumas ligações, me chamou dizendo que o diretor da Penitenciária de Araraquara havia ligado para saber detalhes sobre esse túnel, porque se ele ligava a Matriz ao Pinheirinho passaria certamente ao lado da Penitenciária. “Ele disse que os presos ficaram em alvoroço com essa informação”, contou Lurdinha à época.

Assim, desde o cidadão comum até o secretário de Obras (o Laxixa pode confirmar isso!) ouviam indagações sobre o curioso caso da maior cobra do mundo, com 30 metros e 500 quilos. Cheguei a matar a cobra para evitar problemas.

Voltei com essas histórias anos depois, na coluna Anacrônicas, no extinto Cidade News, a convite do editor-chefe Roberto Schiavon. Para mim, é como “desopilar o fígado”. Nada mais que isso. Espero que sirva para que o leitor, farto de notícias ruins, possa ter um pouco de diversão, uma pequena “fuga bem-humorada da realidade”. Não acreditem nos fatos que escrevo. Apenas nas entrelinhas. Afinal, a Anaconda Araraquarense já demarcou seu território na cidade.

por Luís Zakaib

 

OBS: A partir deste domingo, o Portal RCIA, republica algumas dessas crônicas, publicadas originalmente no Jornal o Imparcial e no Cidade News, entre 2005 e 2015, em ordem aleatória e reeditadas ao contexto atual.