Início Cultura e Lazer

Introspectiva e de extrema filosofia, Life Itself, da Dead or a Lie, ganha vídeoclipe

Canção encerra a história de ‘Monster’, elogiado e premiado novo disco da banda araraquarense; assista, aqui, o material.

49
Produção foi feita pelo baterista e vocalista da banda, Wiliam Albino. (Foto: Divulgação)

Depois da faixa-título e ‘Leave No Trace’, chegou à vez de mais uma música do ovacionado Monster – quinto disco da banda araraquarense de hard/stoner Dead or a Lie – ganhar mais um vídeoclipe: desta vez, a escolhida foi ‘Life Itself’.

Disponível no You Tube e nas redes sociais, o material apresenta uma atmosfera abstrata, bebendo em cenas com momentos introspectivos e reflexivos, nos quais a filosofia e o contexto lírico da canção é exacerbado por devaneios e perspectivas.

A captação das imagens, a edição e o argumento são assinados pelo baterista e vocalista da banda, Wiliam Albino. O mesmo também ficou responsável pelo vídeo de Monster. “Todas as idéias seguem o conceito do álbum”, confirma Albino.

“Tínhamos algumas imagens gravadas durante nossa seção de fotos, feita no ano passado, antes da pandemia. E aqui, elas estão imensamente bem aplicadas pelo Wiliam, que bebeu em influências noir para dar vida esse material tão peculiar”, completa o baixista e guitarrista Matheus Vieira.

Composição singular do álbum, com nuances de new metal, Life Itself fecha a história de Monster, representando o capítulo Fé. Vale lembrar que o álbum é conceitual, contando uma história estimulante de um ser humano contra ele mesmo: um uivo sustentado, destilado sob metáforas da vida, cuja existência pertence a todos os seres humanos.

O  verbete da canção diz:  ‘Viver o presente é uma dádiva divina, recheada de perspectivas novas e ilimitadas possibilidades. Meu futuro é um livro aberto a ser escrito de acordo com os meus pensamentos. Vou fazer esse favor para mim mesmo. Eu acredito. Ser pleno é ser simples. Vou encontrar a minha essência. Vou viver a vida em si’.

Matheus Vieira, Wiliam Albino e Carlos Oliveira formam, há onze anos, a Dead or A Lie. (Foto: Divulgação)

SUCESSO

Desde o seu lançamento em fevereiro de 2020, Monster, cuja produção é assinada por Ali Jr, baixista do CPM 22, no Sunrise Music, é alvo de excelentes críticas no Brasil e fora dele.

Por exemplo, em Portugal, foi destaque no zine The Blessed Altar e no site Metal Junk Box, que comentou que o “álbum é bastante denso, coeso, muitas vezes contemplativo, tudo feito com muita competência pelos músicos, um trio formado por Matheus Vieira (guitarra e baixo), Carlos Oliveira (guitarra) e Wiliam Albino (bateria e voz)”.

Aqui no Brasil, o disco foi eleito como melhor lançamento nacional de 2020 pelos renomados blogues Arte Metal e Underground Extremo. Elogiado em outros tantos sites, como Wikimetal, Portal do Inferno, Metal na Lata, Rede Metal, Whiplash, Recife Metal Law, Full Rock, Roadie Metal, Metal Fire, entre outros, Monster proporcionou ao trio um destaque na edição 254 da revista Roadie Crew, com uma entrevista a cargo de Tony Monteiro, além da resenha do álbum, adjetivado pelo jornalista Ricardo Batalha como “um trabalho primoroso que vai agradar fãs dos estilos doom, stoner e sludge”.

Capa do disco, produzido por Ali Jr, baixista do CPM 22. (Foto: Divulgação)

Com 11 anos de vida, Monster é o primeiro disco do trio com o nome Dead or A Lie. Os anteriores foram lançados como Dead or Alive. São eles: On The Road WIth The Young Guns (2012), Walk On Home, Boy (2013), Last Man Standing (2014) e Unholiness (2016).

“Lançar um disco de inéditas a cada dois anos é um marco louvável para uma banda de Araraquara”, finaliza Carlos Oliveira. Para mais informações, acesso às críticas e links para audição, acesse o facebook: @deadoralieSP.