Home Cidade

Representação contra programa habitacional de Edinho chega ao Ministério Público

Vereadores encaminharam documento referente ao Programa Habitacional Organização de Construção de Autogestão (OCA); segundo os parlamentares, o processo legislativo que culminou na promulgação da lei não foi instruído com a documentação necessária, o que inviabilizou um estudo mais detalhado do projeto

639
Documento está assinado pelos vereadores Elias Chediek (MDB), Gerson da Farmácia (MDB), Delegado Elton Negrini (PSDB), Jéferson Yashuda (PSDB), José Carlos Porsani (PSDB) e Rafael de Angeli (PSDB)

Por meio de ofício, o Promotor de Justiça José Carlos Monteiro, informou os parlamentares Elias Chediek (MDB), Gerson da Farmácia (MDB), Delegado Elton Negrini (PSDB), Jéferson Yashuda (PSDB), José Carlos Porsani (PSDB) e Rafael de Angeli (PSDB) de que uma representação civil assinada por eles foi enviada ao Procurador-Geral de Justiça do Estado de São Paulo para análise de constitucionalidade.

Trata-se de um documento protocolado no dia 13 de setembro, junto ao Ministério Público de Araraquara, que diz respeito a uma representação civil pleiteando a inconstitucionalidade da lei complementar 911/2019, que institui o Programa Habitacional Organização de Construção de Autogestão (OCA).

Integrado ao Programa de Moradia Econômica, de forma a compatibilizar a política municipal com a atuação dos governos estadual e federal, a lei viabiliza e promove o acesso à moradia nos programas de habitação de interesse social. Entretanto, segundo os parlamentares, o processo legislativo que culminou na promulgação da lei não foi instruído com a documentação necessária, o que inviabilizou um estudo mais detalhado do projeto.

Ainda de acordo com os vereadores, mesmo diante dessa situação a propositura foi aprovada, razão pela qual, não restou alternativa, senão a de levar essa questão ao Ministério Público. Baseando-se no Artigo 180 da Constituição do Estado de São Paulo, uma vez que contempla a desafetação e consequente mudança de finalidade de Áreas Institucionais, os espaços definidos em projeto de loteamento, como áreas verdes ou institucionais, não poderão, em qualquer hipótese, ter sua destinação, fim e objetivos originariamente estabelecidos alterados.

 “Infelizmente o prefeito tem insistido em incluir áreas institucionais, verdes ou de lazer em projeto de permuta ou mudança de destinação, o que é inconstitucional. Essas áreas são para uso coletivo da população e se destinam à instalação de prédios públicos como creches, escolas, posto de saúde, bem como praças públicas. Não podemos aprovar projetos que afrontam a constituição! ”, pontuou Elias Chediek.