Início Economia

Governo de SP vai monitorar o preço e abastecimento dos alimentos no estado

O objetivo do grupo especial de monitoramento composto pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento e o Procon é evitar abusos para os consumidores; no entanto o governo garante que não irá interferir no mercado ou tabelar preços

16
Secretário de Agricultura e Abastecimento, Gustavo Junqueira

O governador João Doria anunciou na sexta-feira, 11, a criação de um grupo de trabalho que vai monitorar os preços dos produtos provenientes da agricultura paulista. A ideia é que a Secretaria de Agricultura e Abastecimento, os setores produtivos, supermercados e o Procon trabalhem juntos.

“O tabelamento de preços é uma medida ultrapassada e está descartado, pois temos o compromisso com um governo liberal e inteligente. O Agronegócio, assim como outros setores da economia, está sujeito às dinâmicas de mercado, tanto macro quanto microeconômicas. Vamos trabalhar para minimizar os impactos e continuar abastecendo os brasileiros de São Paulo”, afirmou o secretário de Agricultura e Abastecimento, Gustavo Junqueira.

Nos últimos meses, foram observados aumentos nos preços dos alimentos, como arroz, feijão, óleo de soja, leite longa vida e seus derivados. Isso em parte é justificado pelo aumento de custo de produção e em parte pelo aumento da demanda.

“A atividade agropecuária tem ciclos longos de produção. Tal informação é de extrema importância para entendermos o comportamento dos preços dos alimentos a dinâmica da oferta e demanda. O cenário de aumento de preços representa uma situação conjuntural e não estrutural. O dólar alto está incentivando as exportações e baliza os preços no mercado interno; enquanto isso, o auxílio emergencial está estimulando o consumo”, afirma o secretário de Agricultura e Abastecimento, Gustavo Junqueira.

Na prática, o grupo observará custos, oferta demanda e preços praticados na produção do campo e o valor que chega no varejo, de forma que caso seja identificados abusos, o Procon atuará para coibir a prática.

“Temos a responsabilidade de agir, mas ao mesmo tempo de agir com responsabilidade, para assegurar o abastecimento”, completou Junqueira.