Início Artigo

Eleições 2020, nem parece tão próximas

Por Luís Carlos Bedran

34

Houve uma época em que as eleições não somente eram raras, como também muito disputadas, envolvendo quase que toda a população do município, rural e urbana, mesmo aquelas pessoas mais indiferentes à política.

Interessante é que as mulheres aparentemente não se manifestavam sobre os candidatos, além do que candidatas sequer existiam. No entanto, na intimidade do lar, influenciavam seus maridos e filhos, pois nas conversas entre elas, com as vizinhas principalmente, não desconheciam quem era quem. Dessa forma, homens e mulheres, direta ou indiretamente, acabavam participando das disputas. Seria essa uma prova da conscientização popular?

Depois da abertura democrática, as eleições tornaram-se tão rotineiras a ponto até de se chegar à saturação. Porém, de qualquer maneira, não deixavam de ser uma festa. Entretanto, as falcatruas constantes dos maus políticos, denunciadas pela imprensa, levou o eleitor a reavaliar o seu pensamento. A ideia de um candidato engajado na luta em prol do bem comum, voltado aos legítimos interesses populares, caiu por terra. Então o eleitor, e agora mais do que nunca, a eleitora, decepcionaram-se com os políticos.

Porém, como ainda não se descobriu uma fórmula melhor de governar numa democracia, senão conceder ao candidato a um cargo eletivo um voto de confiança pela maioria — pois, afinal, alguém ou poucos têm de mandar em muitos —, as eleições continuam a ser a única maneira de se tentar e poder avaliar a competência e o idealismo daqueles que se propõem em ser líderes.

O eleitor não tem saída, pois o voto ainda é obrigatório. Ele tem de votar, ou protestar anulando seu voto ou então votando no menos ruim, pois ele não está encontrando o melhor, aquele que, de fato, poderia ser o seu legítimo representante.

Assim, as eleições, que deveriam expressar euforia, tornaram-se apáticas. Desconfia-se das propostas, que os candidatos negam ser promessas. Desconfia-se da propaganda, daquilo que, o que dizem, não ser verdades. Quem escolher, dentre os muitos candidatos e as poucas vagas?

O candidato, o cidadão da Roma antiga, quando concorria a um cargo público, fazia sua campanha vestido com uma toga branca, simbolizando sua pureza e honradez. Daí a origem do termo candidato: vem de “candidus”, branco brilhante, branco como a neve.

O político deve resgatar sua antiga imagem de um homem probo, honesto, dedicado e desprendido. E se ele não conseguir afastar a ideia atual, de um sujeito interesseiro, de profissional da política, preocupado com ele mesmo e não com os legítimos anseios populares, nunca será objeto da confiança do eleitor.

Nem parece que estamos quase a três meses das eleições, em 15 de novembro, mesmo porque sequer conhecem-se os candidatos e candidatas ao Legislativo ou ao Executivo, pois tudo não apenas foi agravado pela disseminação do coronavírus, como pela apatia do eleitorado ante à decepção com os políticos que já vem de longe.

Apesar de tudo, ainda há tempo para se pensar em votar no melhor. E esperar o que os candidatos e candidatas têm a dizer para o nosso futuro.

**Luís Carlos Bedran, é sociólogo e cronista da Revista Comércio, Indústria e Agronegócio de Araraquara

** As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem,necessariamente, com as do RCIARARAQUARA.COM.BR