Início Artigo

Imaginem este vereador abestalhado na Câmara de Araraquara

Por Ivan Roberto Peroni

85

Três dias antes do Podemos anunciar em Araraquara que vai cancelar o registro da candidatura e expulsar um dos seus candidatos a vereador por comportamento inadequado na troca de mensagens com uma professora através das redes sociais, considerando-a uma prostituta pelo fato da mulher vender lingerie e produtos de sex shop para completar sua renda, me coloco a pensar no que disse o prefeito e candidato Edinho Silva durante o lançamento da sua campanha ocorrido na sexta-feira.

Disse o prefeito: “a nossa cidade deve convencer aqueles que ainda acreditam no ódio, na agressividade, no xingamento, que isso não constrói e que juntos podemos construir uma cidade que respeite o próximo”. A frase parece simples, porém é de enorme complexidade pois não se refere apenas a vida política ou a disputa política, ela é bem mais ampla, envolve a interação e o respeito entre as pessoas.

O recado foi dado de forma visionária, pois o fato veio a público três dias depois nas redes sociais mostrando o comportamento grosseiro do candidato a vereador, do político desequilibrado que poderíamos ter em nossa Câmara Municipal, no momento em que se pede renovação ou transformação do cenário político atual.

A conversa ou troca de mensagens entre a professora e o candidato foi exposta em rede social onde as mulheres defenderam a professora contra o assédio sexual cometido por um homem que ainda acredita que mulheres podem ser tratadas como objeto.

Ao sentir que havia batido em porta errada, diante da surpresa e do repúdio da professora, o candidato tentou contornar a situação pedindo desculpas e disse que acreditava se tratar de uma profissional do sexo. Assédio é crime, seja à mulher profissional do sexo ou não”, disse Renata Barbosa, a professora ofendida juntamente com uma nota de repúdio.

O partido é evidente não pode ser penalizado pela fala abestalhada do candidato, ainda que entendamos – houve flexibilização na punição e na decisão da professora e do seu marido que disseram – não queremos represálias, tão pouco dinheiro, seja do partido ou do rapaz. Queremos apenas justiça !!!! Queremos que ele repense mil vezes antes de tratar uma mulher (seja solteira, casada ou até mesmo profissional do sexo), da forma em que ele tratou. Se ele aprender com o erro cometido agora e não agir mais desta forma, tenho a certeza que num futuro, será um ser humano melhor…

Tomara a Deus que seja realmente assim – um ser humano melhor, no momento em que temos dito que a pandemia veio para mostrar outra realidade – tirar dos nossos caminhos seres humanos desprovidos de caráter e de respeito ao próximo. A lição a este cidadão foi dada com humildade, nos levando a reflexão sobre a construção de uma cidade que respeite o próximo, como disse o prefeito.

*Ivan Roberto Peroni, jornalista e membro  da ABI, Associação Brasileira de Imprensa

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do RCIARARAQUARA.COM.BR