Início Artigo

Ferroviária, a importância de um bom planejamento

Por Adilson João Tellaroli – bola branca  

40

A Ferroviária anunciou praticamente um novo time para a disputa da Copa Paulista, onde vai com o objetivo de buscar novamente uma vaga na Copa do Brasil.

E de quebra anunciou Márcio Griggio como treinador dessa equipe. Certamente os dirigentes chegaram à conclusão que não poderiam prescindir de Leonardo Mendes como treinador da equipe Sub-20 que projeta valores para o time de cima e também disputa simultaneamente uma competição.

O que causa entretanto certa preocupação, é o fato de ter chegado alguém que vai conhecer durante a disputa, os jogadores que já fazem parte do elenco e quase todos os demais contratados para a copinha. Um time inteiro chegou às vésperas do campeonato e a primeira pergunta é se haverá tempo hábil para entrosar essa equipe em meio à competição.

É interessante observar que a maioria dos atletas do time principal que chegaram para esta temporada e igualmente a maior parte dos jogadores que estão chegando para o chamado “time dois”, de uma ou outra maneira já passaram pelas mãos dos atuais empresários que comandam a Ferroviária. Os jogadores em grande parte chegam do Santo André e agora do São Caetano. Seria mera coincidência? Os dirigentes podem alegar que os atletas são conhecidos por eles e isso facilitou a vinda. Mas o temor da torcida é que os erros mostrados principalmente no time de São Caetano, venham a ocorrer também na Ferroviária. São muitos jogadores contratados e embora se possa justificar que haverá competições simultâneas, a parte financeira acaba preocupando, além da técnica naturalmente, que pode ou não trazer os resultados buscados.

Convém lembrar que o clube emprestou vários jogadores para o Mirassol, adversário de grupo do campeonato Brasileiro. Alguns chegaram a ser titulares e se tivessem permanecido por aqui, poderiam perfeitamente ser aproveitados no time montado para a Copa Paulista e proporcionariam provavelmente uma boa economia aos cofres da agremiação. E mais – se a intenção era trazer um novo técnico, a coerência do futebol mostra que deveria caber a ele, decidir quem fica ou quem sai, coisa que não é muito do feitio da atual direção empresarial da Ferroviária (assunto que já enfocamos aqui).

Vamos torcer para que o planejamento tenha sido bem feito e não traga dissabores num futuro próximo. Afinal de contas, dinheiro não sai pelo ladrão, muito menos em plena pandemia onde a atual ausência de público também contribui para encurtar as receitas!

*Adilson João Tellaroli – conhecido como “bola branca”, é jornalista esportivo e faz parte do Portal RCIA

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do RCIARARAQUARA.COM.BR