Início Cidade

Araraquara perde Edi Santos, grande incentivadora da cultura local

Presidente da Associação dos Amigos da Praça das Bandeiras, ela contribuiu com vários eventos culturais na cidade

3071
Araraquara perde Edi Santos na noite desta sexta-feira

Umas das pessoas mais queridas de Araraquara, Edineusa Francisco dos Santos, a Edi, faleceu hoje, após infarto. Há alguns dias ela tinha sido agraciada com o título de Cidadã Araraquarense, homenagem sugerida pela vereadora Fabi Virgílio (PT). Ela aguardava a abertura das praças para receber a honraria, já que foi uma das principais figuras que incentivaram a cultura na Praça das Bandeiras. Aliás, era presidente da pioneira Associação dos Amigos da Praça das Bandeiras, contribuindo com sua atuação e também com recursos para o fomento da cultura no local.

Edi nasceu no município de Magda (SP), no dia 6 de julho de 1951. Filha de Eujássio José dos Santos e Iolanda Francisco dos Santos. Ainda criança, sua família se mudou para Santa Fé do Sul, onde passou parte da infância morando num sítio, com seus pais e seus seis irmãos (Edson, Euclides, Edenir, Edna, Daniel e João Carlos). Durante esse tempo, trabalhou com a família em lavouras de café e algodão. Na adolescência, morando na cidade, dividia os estudos com o trabalho de manicure e cabeleireira.

Em janeiro de 1970, sua família foi morar em Fernandópolis e ela, por sua vez, se mudou para Araraquara. Seu primeiro endereço na Morada do Sol foi a casa de sua madrinha. Pouco depois, transferiu-se para o internato Santa Terezinha onde morou por alguns anos.

Sempre muito carismática e comunicativa, ingressou rapidamente no comércio da cidade. Trabalhando na região central, fez inúmeras amizades, muitas das quais perduram até hoje. E foi assim que conheceu Mario Marques da Silva, que seria seu companheiro durante muitos anos e pai de seu único filho, Mario Augusto. Juntos, compartilharam momentos marcantes e decisivos de suas vidas e participaram de eventos importantes na história da cidade durante as décadas de 1970 e 1980.

A Gurilândia, loja de brinquedos e artigos infantis, administrada pelo casal, foi uma referência do comércio araraquarense nessa época e ficou presente na memória de muitas pessoas que por ali passaram.

Ainda hoje, é muito comum encontrarmos pela cidade moradores que, durante a primeira infância, foram conduzidos por carrinhos de bebê, ensaiaram os primeiros passos em andadores e fizeram as primeiras refeições em cadeirotes vendidos pela Gurilândia.

A partir de 1992, teve início uma nova fase na vida de Edineusa. Trabalhou por um curto período na Artemotor, firma do ramo de autopeças, instalada na Avenida 7 de Setembro, na região do Carmo.

Depois, atuou como microempresária, à frente do Bazar Xodó, atendendo principalmente encomendas de presentes e variedades. Ao final dessa década, transferiu-se para o ramo imobiliário onde atuou até sua morte.

Nessa fase, Edineusa acompanhou de perto o crescimento que a cidade teve nos últimos vinte anos, trabalhando, desde o lançamento, em projetos residenciais que formariam novos bairros na cidade.

Como grande entusiasta da vida cultural de nossa cidade, foi uma das fundadoras e dirigentes da Associação dos Amigos da Praça das Bandeiras, participando da organização eventos de música, teatro, dança, feiras culturais.

Sempre buscando valorizar e levar ao público as produções dos artistas locais. Além disso, nos últimos anos, Edineusa também foi uma figura muito presente nas ações e projetos do Conselho Municipal de Cultura.

Edi, como era por todos conhecida, foi uma mulher de grande dedicação à cidade. No ano de 2017, em comemoração aos 200 anos de aniversário de Araraquara, fez uma doação de mais de 200 molduras para a coleção Paulo Mascia, pois as molduras originais estavam todas comprometidas por cupim.

Para Francisco Colturato, do Bar do Zinho, “a Edi trabalhou incessantemente para transformar a Praça das Bandeiras num marco de cultura, lazer, arte e entretenimento. Araraquara perde uma mecenas e uma pessoa que amava nossa cidade”.

 

Confira poema de Fabi Virgílio sobre Edi: