Início Cidade

Grevistas fecham agência dos Correios em Araraquara

A Polícia Militar acompanhou de perto a movimentação dos manifestantes. A deputada Estadual Márcia Lia foi chamada pelos manifestantes

98

Grevistas trancaram com correntes as portas de entrada da agência dos Correios da Avenida Brasil, no centro de Araraquara, na manhã desta sexta-feira (21). Os funcionários aderiram à greve nacional e o atendimento ao público foi cancelado.

Pessoas que procuraram o atendimento da agência foram informadas que não haveria atendimento e a Polícia Militar foi acionada para acompanhar as negociações entre grevistas e o advogado do sindicato que representa a categoria. Com as portas trancadas com correntes e cadeados, funcionários reivindicaram o funcionamento de ao menos 30% da capacidade da agência.

Para o sindicato SINTECT-RPOS, a empresa teria tirado todos os benefícios dos funcionários durante a pandemia, além de manter trabalhadores do grupo de risco trabalhando normalmente, entre outras coisas. Os trabalhadores reivindicam a manutenção dos benefícios e melhores condições de trabalho.

ORDEM JUDICIAL

A Polícia Militar negociou com o advogado do sindicato dos trabalhadores dos Correios a reabertura da agência, mas o caso só deve ser definido por meio de ordem judicial.

APOIO

A deputada estadual Márcia Lia (PT) esteve na frente da agência pela manhã prestando apoio aos grevistas. Ela postou um vídeo em sua página social mostrando seu repúdio à política neoliberal do governo do presidente Jair Bolsonaro, que pretende privatizar a estatal.

“Fui chamada há pouco pelos funcionários em greve dos Correios, que ocupam a agência central para mostrar seu repúdio à política e aos planos do governo Bolsonaro para a estatal. Os funcionários estão em greve desde o dia 18. O ato é pacífico e está sendo acompanhado pela PM”, postou a deputada em sua página do Facebook.

Fui chamada há pouco pelos funcionários em greve dos correios, que ocuparam a agência central para mostrar seu repúdio à política e aos planos do governo Bolsonaro para a estatal. Os funcionários estão em greve desde o dia 18. O ato é pacífico e está sendo acompanhado pela PM.

Posted by Márcia Lia on Friday, August 21, 2020

O QUE DIZ OS CORREIOS

Desde o início das negociações com as entidades sindicais, os Correios tiveram um objetivo primordial: cuidar da sustentabilidade financeira da empresa, a fim de retomar seu poder de investimento e sua estabilidade, para se proteger da crise financeira ocasionada pela pandemia.

A diminuição de despesas prevista com as medidas de contenção em pauta é da ordem de R$ 600 milhões anuais. As reivindicações da Fentect, por sua vez, custariam aos cofres dos Correios quase R$ 1 bilhão no mesmo período – dez vezes o lucro obtido em 2019. Trata-se de uma proposta impossível de ser atendida.

Respaldados por orientação da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST), bem como por diretrizes do Ministério da Economia, os Correios se veem obrigados a zelar pelo reequilíbrio do caixa financeiro da empresa. Em parte, isso significa repensar a concessão de benefícios que extrapolem a prática de mercado e a legislação vigente. Assim, a estatal persegue dois grandes objetivos: a sustentabilidade da empresa e a manutenção dos empregos de todos.