Início Cidade

Sujeira e salas sem ventilação: A realidade do posto de saúde do Roxo em meio a pandemia

Situação coloca em risco a vida de trabalhadores e usuários; Sindicato vai levar o caso ao Ministério Público e exigir providências imediatas da Prefeitura

240

Servidores e população usuária do posto de saúde (Estratégia de Saúde da Família – ESF) do bairro Adalberto Roxo, em Araraquara, correm mais risco de adoecer dentro da unidade do que fora dela, afirma o Sismar, após vistoria.

Diretores do SISMAR visitaram a ESF na manhã desta sexta-feira, 19, e logo encontraram muita sujeira no chão, salas sem ventilação com até seis pessoas trabalhando simultaneamente e uma sala interditada por falta de higienização após atendimento de paciente com Covid-19. Duas servidoras desta unidade já testaram positivo para a doença.

A sala foi interditada por falta de higienização após atendimento de paciente com coronavírus

Para o SISMAR, manter uma unidade de saúde sem higienização adequada em meio à pandemia mais mortal do século é um atentado à saúde pública. Não adianta montar estrutura com hospital de campanha e ampliar a capacidade de atendimento da UPA, se for abandonar os postos de saúde sem limpeza profissional.

Há menos de um mês, o Sismar noticiou que a Prefeitura de Araraquara colocaria funcionários sem treinamento para proceder a limpeza das Postos de Saúde e ESFs, após cancelar o contrato com a empresa terceirizada que fazia o serviço. O resultado está aí.

Relato de servidores da unidade dão conta de que a pessoa designada pela Prefeitura para limpar o local não comparece todo dia e, quando vai, não adota procedimentos básicos de higiene, como retirar as luvas utilizadas para limpeza do banheiro antes de utilizar os utensílios da cozinha.

De acordo com o Sindicato eles não irão admitir que os servidores trabalhem em condições inadequadas. “A vida e a saúde dos servidores têm que estar em primeiro lugar”.

O Sindicato vai exigir providências imediatas da Prefeitura no sentido de higienizar adequadamente a unidade e vai levar o caso ao Ministério Público do Trabalho.

Por fim, mas não menos importante, o SISMAR orienta: servidores da enfermagem, não façam a limpeza das unidades, pois não é atribuição de vocês.