Início Cidade

Tristeza. Araraquara perde Renato Haddad.

649
Renato Haddad, uma perda irreparável para a nossa cidade

Um menino sonhador, sempre disse a mãe Luiza Apparecida Spadoni Haddad. Mais que isso, comentava o irmão Jeferson: “Ele é muito ousado, corajoso, arranja forças para lutar em defesa de uma causa”. Ambos falavam de Renatinho Haddad que num certo dia percorreu um hiato entre a infância e o aniversário de 33 anos do SOMZÃO,  conceituada loja de som e acessórios.

SUA VIDA

Nascido em abril de 1961 num sobrado da Rua 9 de Julho (atualmente a Lojas Cem), Renato foi ter aos 19 anos o golpe  mais violento da sua vida: o pai Talel Feres Haddad, que com idade avançada, lamentavelmente desapareceu ao sair de casa numa manhã. O carinho das irmãs Marlene, Marly, Marisa, o amor da mãe Luiza somados a presença diária de Jeferson, aconselhando e ensinando, fizeram o caçula Renato entender que precisaria sempre usar sua garra para sair vitorioso.

A foto marcada pelo tempo. Era de 1970, saída da missa na Igreja Matriz; ao lado dos amigos que formavam a equipe do Atlas, do saudoso técnico Armando Clemente

Da infância feliz, ele trazia boas recordações: “Fiz o primeiro e segundo anos no Carlos Baptista Magalhães; em janeiro de 1970, minha família se mudou para a rua 6 esquina da Dom Pedro. Acho que morar ali mudou minha vida, pois um mundo de opções se abriu para mim, contava. O terceiro e quarto anos de grupo ele fez no Antonio J. de Carvalho e, sendo o ano da Copa do México (1970), começou a jogar futebol na Praça Pedro de Toledo. “Éramos os moleques do “Largo da Câmara”, vidrados com a conquista da Jules Rimet e só entrávamos na classe quando a professora vinha nos buscar, pois, jogávamos futebol até o último instante. Dali, da praça, partíamos para todos os campinhos, jogando, brincando e conhecendo a cidade. Fui campeão dente de leite pelo Atlas, do sempre querido Armando Clemente”, dizia ele cheio de alegria.

Time de basquete do Araraquarense em 1975 e Campeonato Interno em 1993

Aos 18 anos, seu irmão Jeferson, que exercia engenharia, voltando para a cidade, montou o Somzão Acessórios e levou Renato para trabalhar com ele (eram duas lojas em prédios próprios). Ao mesmo tempo em que trabalhava, formou-se em Direito em 1984, e três anos depois casou-se com Léa com quem tem um filho: Renato, também formando em Direito.

No Clube Araraquarense, Renato Haddad ainda teve importante atuação; tornou-se conselheiro no início dos anos 1990 e, em 2003 foi eleito presidente com 62% dos votos dos associados e reeleito em 2005.

Renato sempre ressaltou o apoio do irmão Jefinho na vida e nos negócios; ao lado do Grupo Paralelas, onde cantava juntamente com o irmão

Um outro desafio estava por vir: em 2010, foi eleito presidente da ACIA, onde procurou realizar um trabalho sério e compromissado para o desenvolvimento das empresas da cidade, ao lado dos diretores, conselheiros, associados e funcionários. “Implantamos algumas atividades como o Clube de Benefícios, Banco de Talentos, AdvocACIA, Universidade ACIA, além de nos tornarmos Agente de Registro de Certificação Digital. Também trabalhamos para o retorno da Serasa à entidade”, argumentava.

Renato lembrava de muitos amigos que o ajudaram a vencer as eleições na ACIA, entre eles, o ex-presidente Valter Merlos. O cargo de presidente da entidade praticamente alterou sua rotina de empreendedor, pois além de estar diariamente no Clube Araraquarense, fazia o mesmo em relação à ACIA, praticamente todas as tardes.

Primeira loja do Sonzão na Rua Comendador Pedro Morganti em 1979; depois a Matriz na 7 de Setembro e a filial na Avenida 36, quando a família optou em encerrar as atividades

Foi durante sua gestão no Araraquarense que aconteceu uma das mais importantes transações imobiliárias da história de Araraquara: a compra do Estádio Municipal. Ao anexar o estádio ao clube, valorizou sobremaneira o patrimônio do Araraquarense. Na época foi uma atitude corajosa de Renato Haddad, ressaltam ainda hoje os associados.

Desde o ano passado, acometido por uma doença degenerativa – Esclerose Lateral Amiotrófica, a ELA, por várias vezes foi levado ao Hospital São Paulo, onde era acompanhado por profissionais. No HSP, Renato Talel Haddad, faleceu nesta manhã de quinta-feira, entristecendo a nossa cidade e deixando verdadeira legião de amigos.

Uma grande festa foi realizada no Araraquarense para a posse de Renato Haddad (ao lado da esposa Léa) como presidente, em substituição a Valter Merlos

A família informa que o velório será realizado a partir das 16h desta quinta, no Velório Municipal, ocorrendo o sepultamento nesta sexta-feira (5), às 10h. Nossas condolências.