Início Cultura e Lazer

Sexta (26): Mostra Wallace Leal realiza mesa de bate-papo digital

Atividade será às 15 horas; programação também dá continuidade às oficinas "Cinema Negro no Feminino" e "Da palavra à imagem"

46
Atividades da Mostra se iniciaram na última terça (23) e seguem até o próximo domingo

A programação da 9ª Mostra Audiovisual Wallace Leal, nesta sexta-feira, 26 de fevereiro, destaca a mesa de bate-papo “As vozes das histórias silenciadas”, com Edileuza Penha e Jeferson Tenório, sob mediação de Alê Laurindo, a partir das 15 horas.

Também, haverá: a continuidade das oficinas “Cinema Negro no Feminino – Memória, Identidade e Territorialidade”, com Edileuza da Penha e “Da palavra à imagem: a direção de fotografia enquanto construção imagética no audiovisual”, com Moema Pascoini; e a exibição de todos os filmes da programação à disposição na plataforma TodesPlay.

A Mostra Audiovisual Wallace Leal é uma realização da Secretaria Municipal da Cultura e a Fundart, com o apoio cultural do Sesc Araraquara e parceria com o ICine (Fórum de Cinema do Interior Paulista). A curadoria desta nona edição é de Mauricio Coronado e Paulo Delfini e toda a programação é digital e gratuita.

Vale lembrar que as atividades da Mostra se iniciaram na última terça (23) e seguem até o próximo domingo (28), compostas por: exibições de 6 longas-metragens, 10 curtas-metragens, 24 curtas-metragens produzidos em Araraquara com o recurso da Lei Aldir Blanc, além de 4 mesas de bate-papo, 2 oficinas e 1 Master Class.

Todos os filmes – longas e curtas – ficarão disponíveis na plataforma TodesPlay de 23 a 28 de fevereiro, podendo ser acessados a qualquer hora e de forma gratuita.

Já as mesas de bate-papo acontecem em dia e horário específico e, depois de efetuadas, também continuarão à disposição dos internautas na plataforma TodesPlay, redes sociais e página do YouTube da Mostra. Por fim, as oficinas, com número limitado de participantes, serão efetuadas através do aplicativo Zoom. Para realizar inscrição, os interessados devem acessar o Sympla e, vale destacar, as inscrições já estão abertas.

No site da Prefeitura de Araraquara e nas redes sociais da Mostra (@mostrawallace) é possível acompanhar as informações dos filmes e convidados participantes, assim como as outras atividades da programação.

Cinema Negro no Feminino – A oficina com Edileuza Penha, tem como objetivo apresentar um grupo de cineastas negras brasileiras e de como seus trabalhos têm pautado os valores ancestrais de respeito às experiências de vida, à cultura, aos saberes e às visões de mundo da comunidade negra no audiovisual. Esta oficina será realizada nos dias 25, 26 e 27 de fevereiro, das 10 às 12 horas.

Edileuza Penha é documentarista e pesquisadora. Dirigiu: Mulheres de Barro; Sem Limites (Cuba, 2013 – 15min); Um Peso por um Chiste (Cuba, 2013 – 14min); Conta-Contos – a arte de ouvir e contar histórias, Filhas de Lavadeiras (2019). Professora, participou do documentário Afronte dos diretores Marcus Mesquita e Bruno Victor. Doutora em educação e comunicação pela Universidade de Brasília (unB), onde leciona as disciplinas Pensamento Negro Contemporâneo e Etnologia Visual da Imagem do Negro no Cinema, desde 2007 tem podido orientar diversos trabalhos na área do audiovisual. Foi estudante da EICTV – Escuela Internacional de Cine y TV de San Antonio de los Banõs – República de Cuba, onde participou como Produtora, diretora de artes, roteirista e atriz do premiado curta Teresa.

Organizou a Coleção: “Negritude Cinema e Educação – Caminhos para implementação da lei 10.639/2003”, editado pela Mazza Edições, Belo Horizonte, aprovada no PNLD dos professores pelo FNDE em 2014. É a idealizadora e coordenadora da I e II Mostra Competitiva de Cineastas e Produtoras Negras Adélia Sampaio. Curadora do II Festival de Cinema do Paranoá. Jurada no Porto Femme International Film Festival e do Prêmio Zózimo Bulbul no Festival de Cinema de Brasília.

Inscrições abertas pelo link: https://www.sympla.com.br/cinema-negro-no-feminino—memoria-identidade-e-territorialidade__1125588

As vozes das histórias silenciadas – A Mesa 4 aborda “As vozes das histórias silenciadas”, com Edileuza Penha (“Filhas de Lavadeira”) e Jeferson Tenório (“Avesso da Pele”), sob mediação de Alê Laurindo. Os convidados conversam como suas obras têm papel fundamental no resgate das histórias não contadas no Brasil.

O filme “Filhas de Lavadeiras” apresenta histórias de mulheres negras que graças ao trabalho árduo de suas mães puderam ir para escola e refazer os caminhos trilhados pelas suas antecessoras, enquanto o livro “Avesso da Pele” traz à superfície um país marcado pelo racismo e por um sistema educacional falido, além de um denso relato sobre as relações entre pais e filhos.

Edileuza Penha de Souza é documentarista e pesquisadora, dirigiu: Mulheres de Barro; Sem Limites (Cuba, 2013 – 15min); Um Peso por um Chiste (Cuba, 2013 – 14min); Conta-Contos – a arte de ouvir e contar histórias, Filhas de Lavadeiras (2019). Professora, participou do documentário Afronte dos diretores Marcus Mesquita e Bruno Victor.

Doutora em educação e comunicação pela Universidade de Brasília (unB), onde leciona as disciplinas Pensamento Negro Contemporâneo e Etnologia Visual da Imagem do Negro no Cinema, desde 2007 tem podido orientar diversos trabalhos na área do audiovisual. Foi estudante da EICTV – Escuela Internacional de Cine y TV de San Antonio de los Banõs – República de Cuba, onde participou como Produtora, diretora de artes, roteirista e atriz do premiado curta Teresa. Organizou a Coleção: “Negritude Cinema e Educação – Caminhos para implementação da lei 10.639/2003”, editado pela Mazza Edições, Belo Horizonte, aprovada no PNLD dos professores pelo FNDE em 2014.

É a idealizadora e coordenadora da I e II Mostra Competitiva de Cineastas e Produtoras Negras Adélia Sampaio. Curadora do II Festival de Cinema do Paranoá. Jurada no Porto Femme International Film Festival e do Prêmio Zózimo Bulbul no Festival de Cinema de Brasília.

Jeferson Tenório nasceu no Rio de Janeiro, em 1977. Radicado em Porto Alegre, é doutorando em teoria literária pela PUCRS. Estreou na literatura com o romance O beijo na parede (2013), eleito o livro do ano pela Associação Gaúcha de Escritores.

Teve textos adaptados para o teatro e contos traduzidos para o inglês e o espanhol. É autor também de Estela sem Deus (2018). O avesso da pele (2020) é seu romance mais recente, publicado pela editora Companhia das Letras.

Alê Laurindo (mediação), é cientista social formada pela Unesp, pós graduanda em Gestão de Projetos Sociais e pós graduanda em Serviço Social e Políticas Públicas. É Coordenadora de Políticas Étnicos Raciais de Araraquara, gestora de Projetos no Terceiro Setor e é presidente do Conselheiro da UAB – União Afro Brasil.

Da palavra à imagem – A oficina “Da palavra à imagem: a direção de fotografia enquanto construção imagética no audiovisual”, com Moema Pascoini, está com as vagas esgotadas com 80 inscrições e será realizada em 3 dias: de 24 a 26 de fevereiro, sempre das 19 às 21 horas.  A oficina tem o intuito de apresentar uma visão panorâmica sobre a direção de fotografia no audiovisual, discutindo questões relacionadas à função deste profissional dentro da criação cinematográfica e de como se estrutura uma equipe de fotografia. Também serão abordados: elementos de composição e iluminação e exercícios de estímulo à criatividade a partir da análise de um roteiro e da sua adaptação imagética.

Moema Pascoini é doutoranda em Artes pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Imagem e Som da UFSCar. Possui graduação em Jornalismo pela UFS e é formada em Direção de Fotografia e em Documentário pelo CFP del SICA-Argentina.

Filmes – Os longas-metragens selecionados e que podem ser acessados a qualquer hora, no período de 23 a 28 de fevereiro, são: “Chico Rei entre nós” – vencedor na última edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (direção: Joyce Prado, gênero: documentário, ano de produção: 2020, classificação: livre), “Servidão” (direção: Renato Barbieri), “A Terra Negra Kawa” (direção: Sérgio Andrade, ficção, 2019, 14 anos), “Selvagem” (direção: Diego da Costa, ficção/drama, 2018-2021, livre), “Luciene” (direção: Juliana Curvo, documentário biográfico, 2020, livre) e “Essa terra é nossa” (direção: Isael Maxakali, Sueli Maxakali, Carolina Canguçu, Roberto Romero; documentário, 2020, livre).

Já os curtas apresentam: “Pega-se Facção” (direção: Thais Braga, documentário, 2020, livre), “Alcatéia” (direção: Carolina Castilho, drama/ficção, 2020, classificação: 04 anos), “Seremos Ouvidas” (direção: Larissa Nepomuceno, documentário, 2020, livre), “Alfazema” (direção: Sabrina Fidalgo, ficção, 2019, 14 anos), “Filhas de Lavadeira” (direção: Edileuza Penha de Souza, documentário, 2019, livre), “Yaõkwa, imagem e memória” (direção: Rita Carelli e Vincent Carelli, documentário, 2020, livre),  “Mãtãnãg, A Encantada” (direção: Shawara Maxakali e Charles Bicalho, animação/drama, 2019, livre), “Modelo Morto, modelo vivo” (direção: Iuri Bermudes e Leona Jhovs, drama/romance, 2020, 16 anos), “Homens Invisíveis” (direção: Luís Carlos de Alencar, documentário, 2019, classificação: 07 anos) e “Supremacia da fumaça” (direção: Marcelo Mendes Gomes, drama/ficção, 2019, 10 anos).

As sinopses dos filmes selecionados podem ser conferidas nas Notícias do site da Prefeitura de Araraquara, assim como nas redes sociais da Mostra (@mostrawallace).

SERVIÇO: 

9ª Mostra Audiovisual Wallace Leal

Data: sexta-feira (26 de fevereiro)

Programação:

10 às 12h: Oficina “Cinema Negro no Feminino – Memória, Identidade e Territorialidade”, com Edileuza da Penha

Local: aplicativo Zoom

15h: Mesa de bate-papo: “As vozes das histórias silenciadas”, com Edileuza Penha de Souza e Jeferson Tenório e mediação de Alê Laurindo

Local: Plataforma TodesPlay e redes sociais da Mostra (@mostrawallace)

19 às 21h: Oficina “Da palavra à imagem: a direção de fotografia enquanto construção imagética no audiovisual”, com Moema Pascoini

Local: aplicativo Zoom

A qualquer hora: exibição dos filmes selecionados na Mostra + vídeos do Festival Aldir Blanc de Araraquara

Local: Plataforma TodesPlay