Início Destaques

Boi caminha para ser o presidente de consenso na Câmara Municipal em 2021

A partir da primeira semana de dezembro os vereadores eleitos em 15 de novembro já deverão discutir a escolha do próximo presidente da Câmara. O eleito substituirá o Tenente Santana que deixa o Legislativo após não se reeleger. A busca neste momento é por um nome de consenso, ponderado e principalmente equilibrado para dialogar com os eleitos. Analistas indicam neste momento Aloísio Braz, o Boi, do MDB.

143
Aloísio Braz, o Boi, pode ser o presidente de consenso pela postura de dialogar e experiência

Aloísio Braz, o Boi, apelido herdado das peladas nos campos de futebol quando ainda era menino, pode voltar a ser o presidente da Câmara Municipal de Araraquara, a partir de primeiro de janeiro do próximo ano.

A diversificação ideológica criada na eleição de 12 novos vereadores, entre os quais ele que é do MDB, parece exigir no comando do Poder Legislativo um político equilibrado e que saiba utilizar o diálogo para a presidência, comentam os analistas políticos.

Boi seria neste caso a ponte entre os radicais, ou seja, esquerda e direita, ou simplesmente entre vereadores que almejam pregar resistência às ações do governo municipal, representado por Edinho Silva, do Partido dos Trabalhadores. Estes teriam que ser acalmados, trabalhando com a razão para não conter avanços no desenvolvimento da cidade.

A primeira vista a radicalização partidária poderá ficar por conta do Patriota (Luis Carlos de Oliveira, o Carlão do Jóia), Marchesi da Rádio e Marcos Garrido, além do Cidadania (Edson Hel), PSL (Lucas Grecco) e Podemos (Lineu Carlos de Assis), que mesmo juntos não representariam a maioria e tão pouco poderiam ocupar cargos na Mesa Diretora.

O consenso de partidos e vereadores de apoio podem eleger Aloisio Braz (MDB) até com 12 votos e aí sim com acordo na formação da mesa: Aloísio Braz e Gérson da Farmácia (MDB), PT (Thainara Faria, Paulo Landim, Fabiana Virgilio e Filipa Brunelli), Emmanoel Sponton (PP), Republicanos (Pastor Hugo), PDT (Luna Meyer) e PCdoB (Guilherme Bianco). Pode ser que até o PSDB venha a apoiar Boi, já que ele (MDB) e PSDB apoiaram PSL de Coca Ferraz, nas eleições para prefeito. Neste caso, a vinda de Lucas Grecco pode ocorrer para apoiar Boi, mas não o Governo Edinho.

Outra consideração feita por políticos mais experientes é de que, via de regra, vereadores recorrem ao governo municipal para pedir ajuda nas reivindicações feitas pelos seus eleitores o que também fragiliza a força da direita radical. Neste caso, não é tão difícil do atual prefeito reeleito para mais quatro anos de mandato ter uma coesa em torno dos seus projetos e com um gestor ponderado e negociador como é Aloísio Braz.

Se por um lado discute-se a formação de apoio sem tanta preocupação ao atual regime, logo os vereadores poderão estar liberados para discutir questões internas durante as sessões colocando no foco dos debates suas ideologias pois há enorme diversificação de pensamentos em torno do que cada partido prega.

Questionado pelo RCIA sobre a possibilidade de ser o novo presidente da Câmara, Aloísio Braz, o Boi, respondeu que – ainda não parou para pensar nesta questão, porém não descarta: “Acho melhor uma reunião com os novos vereadores para tirarmos em comum um posicionamento tanto para a mesa como para as comissões”.

ALOÍSIO BRAZ

Iniciou sua vida política como vereador eleito para a 15ª Legislatura – período de 2009 a 2012. Político atuante desde seu primeiro mandato foi eleito presidente da Câmara Municipal de Araraquara para o biênio 2011-2012. Foi reeleito vereador para a 16ª Legislatura de 2013 a 2016, sendo o mais votado da cidade nessa Legislatura. Reconhecido no meio político, exerceu o papel de líder do governo municipal no Legislativo araraquarense.

Boi também prestou relevantes serviços nas comissões permanentes de Tributação, Finanças e Orçamento, e de Justiça, Legislação e Redação. Atuou em várias Comissões Especiais (CE), como a de Revisão do PCCV da Prefeitura do Município de Araraquara e da representação para apurar supostas irregularidades no tratamento empregado aos detentos da Penitenciária Regional de Araraquara e do Centro de Detenção Provisória (CDP). Também representou a Câmara Municipal no Conselho de Alimentação Escolar de Araraquara. Atuou como membro e relator em Comissão Especial de Inquérito (CEI).

Durante seus mandatos na Câmara Municipal, foi líder do partido aos quais pertenceu. Foi secretário municipal de Governo, de Comunicação, e de Esportes e Lazer. Concorreu como candidato a prefeito nas eleições municipais para 2017. Dentre outras atividades foi diretor de Esportes da Associação Atlética, exerceu a vice-presidência da Associação de Bairros da Comunidade Santa Clara e foi auxiliar parlamentar no Senado Federal.