Home Destaques

Ex-colegas de escola se reencontram e um deles é esfaqueado no Parque São Paulo

Após permanecer internado por quatro dias e passar até mesmo por procedimentos cirúrgicos, vítima de facadas registra boletim de ocorrência e acusa ex-colega do Ensino Fundamental de ser o autor da tentativa de homicídio.

1
Vítima procurou a Polícia Civil nesta terça para registrar o ocorrido

Dois ex-colegas de escola, estudantes 10 anos atrás do Ensino Fundamental, voltaram a se encontrar na sexta-feira, 8 de março, em frente a um supermercado na Avenida Doutor Albert Einstein em Araraquara. Por conta de um esbarrão, 11 dias depois – um deles compareceu ao plantão policial, dizendo ter sido esfaqueado pelo desafeto, se mantendo por algum tempo hospitalizado para procedimentos médicos.

Nesta terça-feira (18), a vítima foi à delegacia após receber alta na Santa Casa de Misericórdia para registrar os detalhes da desavença, da tentativa de homicídio que sofreu, e da, sua internação no hospital, que nesta circunstância teria falhado em não comunicar às autoridades policiais.

De acordo com sua versão, no dia 8, por volta das 12 horas, em frente a um supermercado no Parque São Paulo, teria sido vítima de facada apontando como autor, um ex-colega de escola. No boletim ele narra – que foi ao estabelecimento para comprar verduras e deu um ‘esbarrão’ no antigo colega que já teria lhe ameaçado em tom de ameaça. Contudo, afirmou, cada um após a ligeira discussão tomou o seu caminho.

Porém, ao voltar para casa com a verdura e cerca de 600 metros do mercado, o ex-colega reapareceu, descendo de um carro e desferindo um soco no rosto da vítima, além de puxar uma faca e golpear por quatro vezes o desafeto na região do abdômen, costelas e os braços, deixando-o caído no chão.

Levada pelo SAMU até a Santa Casa, a vítima contou que permaneceu internada até o dia 12 e que conhece o autor pela tentativa de homicídio já que ambos foram colegas de escola nos tempos do Fundamental, quando tiveram algumas ‘encrencas’ e que, há pelo menos 10 anos, não o via.

De posse das informações prestadas o setor de investigações busca a partir de agora esclarecer o caso.