Início Destaques

Pastor Raimundo deve criar nesta terça o Dia Municipal do Capelão

Mais duas datas devem fazer parte do calendário de comemorações de Araraquara: Dia Municipal do Capelão e o Festival de Pipas e Papagaios em pelo menos três meses do ano

489
Iniciativa para criação do Dia do Capelão é do vereador Pastor Raimundo

A partir das 18 horas desta terça-feira (3), acontece a 122ª Sessão Ordinária da 17ª Legislatura da Câmara Municipal de Araraquara, com transmissão ao vivo no site da Casa de Leis, pelo Facebook ou na TV Câmara (canal 17 da Net). Às 21 horas, a Uniara FM (100,1 MHz) transmite a Sessão na íntegra. Confira o que será votado!

Projeto do vereador Lucas Grecco (PSB) que institui e inclui no Calendário Oficial de Eventos do Município de Araraquara o “Festival de Pipas e Papagaios de Araraquara (Pipódromo)”, a ser comemorado anualmente nos meses de julho, dezembro, janeiro e fevereiro.

Projeto do vereador Pastor Raimundo Bezerra (Republicanos) que institui e inclui no Calendário Oficial de Eventos do Município de Araraquara o “Dia Municipal do Capelão”, a ser comemorado anualmente em 21 de junho.

O DIA DO CAPELÃO

A atividade de Capelão dentro de uma Capelania pode ser descrita como um serviço de assistência espiritual para o atendimento das necessidades de todos aqueles que por conta da situação em que e encontram (em hospitais ou presídios) ou em decorrência de suas atribuições profissionais (militares, estudantes), sentem-se impossibilitados de receberem um serviço religioso regular. O capelão (ã) é, portanto, o instrumento por meio do qual a Palavra será levada a pessoas que se encontram nessas situações.

Capelão (em francês: chapelain) é um ministro religioso autorizado a prestar assistência e a realizar cultos em comunidades religiosas, conventos, colégios, universidades, hospitais, presídios, corporações militares e outras organizações ou corporações, e que geralmente é oficiado por um padre ou pastor .

Ao longo da história, muitas cortes e famílias nobres tinham também o seu capelão. No caso de uma corporação militar, fala-se de capelania militar ou capelania castrense. O autor do projeto Pastor Raimundo, é evangélico.

A única Lei Federal sobre o tema é a nº 9.982/2000, sancionada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Esta lei institui a “assistência religiosa em hospitais e presídios”, mas apenas de forma voluntária. Ou seja, a lei libera pastores, padres e outros religiosos a visitarem hospitais, presídios e quartéis para falar de sua fé. Mas o estado não precisa pagar por isso.

Em 2006, foi apresentado à Câmara Federal o Projeto de Lei nº 6817/06 que estabelecia a função de capelão não-voluntário, mas apenas por concurso público. Este projeto foi rejeitado em, duas comissões da Câmara e nunca efetivamente votado pelos deputados federais.

ARQUIVO HISTÓRICO

Há um pedido do vereador Elias Chediek (MDB) para que a matéria publicada na revista “Comércio, Indústria e Agronegócio”, em agosto de 2019, sob o título “Renato Haddad – uma história feita por desafios”, passe a fazer parte do Arquivo Histórico da Câmara. Agradecemos a gentileza do vereador Elias Chediek e o cumprimentamos por homenagear de forma justa um jovem cheio de sonhos e ideias que partiu tão cedo.

TRIBUNA POPULAR

Há dois inscritos para participação na Tribuna Popular. Vilma do Amaral Schiavinato, credenciada pelo Instituto Idioma Surdo, abordará o tema “Setembro Azul aos direitos das pessoas surdas em Araraquara”.

Já Adriana Aparecida Biasiolo, credenciada por um grupo de 30 cidadãos eleitores no município, falará sobre o tema “Setembro Verde – mês de inclusão social da pessoa com deficiência”.