Home Destaques

Como fazer sua empresa “bombar” na internet em 2022

A araraquarense Marcia Ceschini, especialista em marketing digital, lista as tendências que podem ajudar a sua empresa a se destacar na internet em 2022

86
Marcia Ceschini, é especialista em Marketing Digital

A internet e as redes sociais são cada vez mais fundamentais para quem quer ter destaque no mercado. Com o consumo se adaptando às novas regras impostas pela pandemia, o e-commerce passa o caminho para quem quer vender seus produtos e serviços.

Para saber mais sobre esse tema, o Portal RCIA conversou com a Marcia Ceschini, especialista em marketing digital, que fez uma lista das tendências que podem ajudar a sua empresa a se destacar ainda mais na internet em 2022.

“Nessa lista apontamos caminhos para que os empreendedores locais tenham mais destaques em seus negócios”, pontua Márcia. 

Ter um site: é primordial que seu negócio tenha um endereço digital para que as pessoas encontrem seus produtos e serviços. Como diz a máxima, se você não está no Google, você não existe. Além disso, você não fica refém das redes sociais, caso elas saiam do ar, tem um lugar que seu consumidor poderá achar as informações da sua empresa e seus serviços/produtos;

Criar o Google Meu Negócio para sua empresa. É gratuito, e você pode não só listar seu endereço, pode por fotos da fachada, fotos internas, fotos dos produtos, seu site, e-mail, horário de funcionamento e listar as categorias de sua empresa. Isso facilita muito nas buscas;

Ter um whatsapp businness (comercial), você pode colocar todas as informações da sua empresa (endereço, site, e-mail, horário de funcionamento) e também: mensagens automáticas (pois, hoje em dia, o usuário tem pressa de ser atendido), criar um catálogo dos seus produtos e serviços e até patrocinar, esse ano já será possível criar anúncios no whatsapp;

Conteúdos para as redes sociais: manter presença nas redes com conteúdo interessante para o seu público, com periodicidade e interação com seus usuários (responder comentários, mensagens inbox ou no direct). Esse conteúdo pode ser orgânico, ou seja, sem investimento, pois se ele for interessante, terá engajamento;

Vídeos curtos: os usuários gostam cada vez mais de mensagens rápidas e divertidas. Uma amostra são as quantidades de contas criadas nos aplicativos como TikTok, que ultrapassou mais de um bilhão de usuários. Nesse sentido, temos visto destaques e engajamentos cada vez maior dos reels  no Instagram e vídeos do TikTok. A criatividade para passar a informação deve ir além das famosas dancinhas, desde que faça sentido para sua comunicação de marca e para seu público-alvo. Esses apps já estão anunciando formas de patrocínio para marcas a partir deste ano. 

Podcast e outras formas de envio de mensagens em áudio como informações, como o whatsapp, Telegram e Google já estão investindo pesado nesse meio como mídia. Lembrando ainda do ClubHouse, uma mídia só de voz,  que foi lançado em  abril de 2020. E, ainda sobre os podcasts, segundo o site MeioBit, os grandes players como  a Marvel, a Amazon e a Rede Globo estão explorando  cada vez a mídia podcast, com mais possibilidades para criadores de conteúdos e patrocínios por parte das marcas.

Planejamento e Tráfego pago: o empreendedor local deve entender que temos dois tipos de conteúdo: o orgânico, que busca engajamento através do conteúdo relevante e o patrocinado, que é feito através de anúncios com objetivos específicos (geração de leads/negócios, chamadas no whastapp comercial, compra no site, entre outros). A criação e gestão do tráfego pago ganha mais espaço esse ano, pois para ter resultado é preciso investir em campanhas nas redes sociais, anúncios em buscadores, geração de leads/cadastros, entre outros resultados.

Uso correto da LGPD – toda empresa, seja ela pequena média ou grande, deve ter investir na Lei Geral de Proteção de Dados.  A Lei foi sancionada em agosto de 2018 e estabelece regras sobre a coleta, o armazenamento, o tratamento e compartilhamento de dados pessoais, impondo mais proteção para o usuário e penas e multas para as empresas que não as seguirem, que variam de R$ 50 a 800 mil reais. Isso impacta nos e-mails enviados, mensagens via whatsapp, captação de dados no seu site e muito mais. Fique de olho. 

Marcia Ceschini, é especialista em Marketing Digital, possui sua empresa de comunicação on e off-line, é professora convidada da pós graduação em Marketing Digital no SENAC (Bauru, Ribeirão Preto, Piracicaba e São José do Rio Preto) e colunista da CBN Araraquara com a coluna Mundo Digital.
Instagram: @marciaceschini
Whatsapp: (16) 99619-5691
site: http://www.ceschini.com.br