Início Destaques

Covid 19: Prefeito vai se reunir com empresários nesta terça às 15h

Lideranças empresariais sustentam a necessidade do comércio local funcionar de forma integral e tomando as precauções para evitar a propagação da pandemia

136
O Sincomercio tem pleiteado trabalho normal para o comércio, mas esbarra nos decretos governamentais

Com o final da quarentena no próximo dia 14 de julho, as entidades que dão suporte ao comércio e ao setor de serviços – Sincomercio, Sinhores e ACIA começam a se mobilizar buscando através do diálogo a retomada das atividades em sua integralidade.

A prorrogação da quarentena aconteceu no dia 26 de junho através decreto assinado pelo governador João Doria (PSDB); na oportunidade ele divulgou a atualização das flexibilizações nas cidades, conforme o plano de recuperação econômica. Assim, a maior parte das regiões do estado permaneceu ou retornou à fase vermelha, a mais restritiva, seguindo as projeções feitas pelo governo estadual.

Durante este período já era esperado o crescimento significativo da epidemia no interior de São Paulo, tanto no número de casos, como de internações e óbitos. Com estes elementos, passados dez dias, as autoridades da Saúde devem emitir um parecer sobre a situação atual da pandemia e quem sabe indicar a retomada de todas as atividades de maneira completa.

Em Araraquara, nesta terça-feira (7), 15h, o prefeito Edinho Silva e os integrantes do Grupo de Contingência de Combate ao Coronavírus vão se reunir no Paço Municipal. As medidas a serem discutidas na oportunidade ainda são desconhecidas: “Vamos apenas ouvir o que o prefeito tem a nos dizer. A nossa posição é de trabalharmos no horário normal, mas infelizmente isso não tem sido possível. Este de fato é o nosso desejo, trabalhando com todos os cuidados e tendo a colaboração da população”, comenta o presidente do Sincomercio, Antonio Deliza Neto.

Atualmente o comércio em nossa cidade está trabalhando apenas quatro horas – das 12h às 16 h, período insuficiente para que as lojas vendam e amenizem os prejuízos após mais de 100 dias com as atividades prejudicadas pela pandemia.