Início Esporte

Hospital erra testes de Covid-19 feitos em jogadores do Red Bull Bragantino

Cerca de 23 pessoas testaram positivo para doença, mas novos exames feitos em outros dois laboratórios mostraram resultado negativo; hospital culpou reagente por equívoco

67
Crédito: Divulgação

A noite desta sexta-feira trouxe um episódio nos bastidores envolvendo a equipe do Red Bull Bragantino, que foi eliminado ontem pelo Corinthians pelas quartas de final do Paulistão.

O Hospital Albert Einstein, localizado na capital paulistana, errou em testes feitos para o coronavírus em jogadores e funcionários da equipe de Bragança Paulista. A informação foi divulgada pelo colunista d’O Globo, Ancelmo Goes, e foi confirmada pelo clube.

A FPF e CBF fechou parceria com o hospital para que fossem realizados os exames nos clubes participantes do Paulistão e das séries do Brasileirão, incluindo o Feminino A-1. Os testes feitos foram o de RT-PCR, o mais confiável para resultados de Covid-19.

Em resultado divulgado na última segunda-feira (27), cerca de 23 pessoas testaram positivo, sendo nove jogadores, e o clube acabou isolando todos do restante do grupo. Porém, a diretoria do Toro Loko achou estranho e procurou outros dois laboratórios, Cura e Fleury, para a realização de novos testes e apontaram negativo.

Com os resultados em mãos, na quinta-feira, decidiram voltar para o Einstein para realização de novos testes no horário do almoço. Os resultados foram revelados horas antes da partida contra o Corinthians acontecer e todos deram negativo.

De acordo com o hospital, houve divergência nos resultados e apontou o problemas nos reagentes que apontaram instabilidade.

A reviravolta trouxe um grande mal-estar entre clube, federação e o hospital. O Red Bull Bragantino encaminhou o ocorrido para a CBF.

Confira a nota divulgada pelo clube nas redes sociais:

“O Red Bull Bragantino vem a público informar que as notícias sobre os resultados divergentes dos testes de Covid-19 realizados no elenco são verídicas.

Em 27 de julho, um dia depois da partida contra o Botafogo, jogadores, comissão técnica e funcionários realizaram testes de PCR conduzidos pelo Hospital Albert Einstein. Diferentemente do que havia acontecido nos ciclos anteriores até então, 23 casos positivos foram apontados. Nove jogadores, quatro membros de comissão técnica e o restante de funcionários do centro de treinamento.

Avisados no fim da noite de terça (28), os atletas foram isolados e não participaram dos treinos pré-jogo na quarta-feira (29). No lugar da atividade, foram levados a dois laboratórios diferentes (Cura e Fleury) para realizarem a contraprova dos exames de PCR. Em ambos, os resultados foram todos negativos.

No dia da partida (30), quinta-feira, esses nove jogadores e quatro membros de comissão foram chamados por volta da hora do almoço para realizarem mais um teste, desta vez no Hospital Albert Einstein. Deixaram a concentração e se dirigiram a São Paulo. Com mais uma leva de resultados negativos, o grupo foi liberado para o jogo pouco mais de 1h30 antes de a bola rolar.

Sabemos que o resultado de campo fica no campo e o ponto principal não é esse. A intenção, agora, é apararmos as arestas para que isso não volte a acontecer tanto no Paulistão quanto no Campeonato Brasileiro.”