Início Ferroviária

Retrospectiva Grená 2019: A Locomotiva chega às quartas do Paulistão

Na retrospectiva, a RCIARARAQUARA destaca a campanha feita pelo a equipe comandada por Vinícius Munhoz no Paulistão e as eliminações precoces no Brasileiro da Série D e Copa Paulista

35
Crédito: Beto Boschiero / Ferroviária S/A

Após apresentar a campanha das categorias de base, a RCIARARAQUARA continua a série “Retrospectiva Grená” com a equipe profissional da Ferroviária, que conseguiu finalmente quebrar um tabu e trouxe muitas alegrias para a sua torcida.

Depois de conquistar o vice-campeonato da Copa Paulista, carimbando assim a vaga para a Série D deste ano, a Locomotiva tinha pela frente o Paulistão, cujo as últimas campanhas ficaram muito abaixo das expectativas.

Sem grandes investimentos, a diretoria investiu em jogadores considerados modestos, que passaram por clubes das Séries A, B e C do Brasileiro, sendo que boa parte conheceram o descenso para outra divisão, deixando o torcedor mais uma vez preocupado com o possível rendimento da equipe no estadual e sendo comandada pelo treinador Vinícius Munhoz.

Após estrear com derrota por 1 a 0 para o Santos, o time começou a crescer a partir da terceira rodada, quando venceu o clássico contra o Botafogo por 2 a 1, no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto.

Com um belo futebol apresentado, a equipe cumpriu o primeiro objetivo na competição. Na partida contra o Oeste, na Fonte Luminosa, depois de sair perdendo por 1 a 0 no primeiro tempo, buscou a virada na segunda etapa e garantiu a permanência na elite paulista restando ainda mais quatro jogos para o termino da fase de classificação.

O desempenho das outras equipes em sua chave não foi dos melhores. Bragantino e Mirassol lutaram contra o rebaixamento até a última rodada. Com isso, a Ferroviária dependeu apenas de si para conseguir uma vaga até às quartas de final.

Após empatar com Guarani e São Paulo, ambos por 1 a 1, a confirmação da vaga veio na penúltima rodada. Diante do São Caetano, um dos rebaixados para a Série A2, a Locomotiva fez o dever de casa e venceu por 2 a 0, conseguindo a classificação pela primeira vez ao mata-mata, desde o seu retorno à elite, em 2016.

De quebra, o clube carimbou também vaga para a Série D do Brasileiro 2020 e, com a classificação de Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos para a Libertadores, na Copa do Brasil 2020.

Nas quartas, a equipe encarou de igual para igual o Corinthians, primeiro colocado de seu grupo. Após dois jogos intensos e empatados por 1 a 1, a decisão se encaminhou às penalidades em plena Arena Corinthians. O Timão levou a melhor, mas o feito da Locomotiva acabou sendo enaltecido por parte da grande mídia.

Campanha no Paulistão

JOGOS: 14
VITÓRIA: 4
EMPATE: 8
DERROTA: 2

GOLS MARCADOS: 14
GOLS SOFRIDOS: 11

Resultados

Fase de classificação

Santos 1×0 Ferroviária
Ferroviária 0x0 Ponte Preta
Botafogo 1×2 Ferroviária
Ferroviária 2×1 Ituano
Ferroviária 1×2 Red Bull
São Bento 0x0 Ferroviária
Palmeiras 0x0 Ferroviária
Ferroviária 2×1 Oeste
Guarani 1×1 Ferroviária
São Paulo 1×1 Ferroviária
Ferroviária 2×0 São Caetano
Novorizontino 1×1 Ferroviária

Semifinais

Ferroviária 1×1 Corinthians
Corinthians (4)1×1(3) Ferroviária

Equipe base: Tadeu; Diogo Mateus, Rayan, Rodrigão e Arthur; Anderson Uchôa, Tony e Léo Artur; Felipe Ferreira, Lúcio Flávio e Diego Gonçalves.

Tony é consolado por Tadeu depois das penalidades diante do Corinthians – Crédito: Beto Boschiero / Ferroviária S/A

O SONHO DO ACESSO À SÉRIE C FICOU PARA TRÁS

Boa campanha no estadual trouxe esperanças à toda torcida afeana para que o time conquistasse o acesso para a Série C do Brasileiro.

Novamente com um elenco todo reformulado e com poucos remanescentes do Paulistão, contou com a volta do atacante Léo Castro, que participou do título da Copa Paulista de 2017, sendo um dos grandes destaques da equipe.

A Locomotiva caiu no Grupo A17, com Avenida-RS, Maringá-PR e Joinville-SC. No primeiro jogo diante dos catarinenses, vitória por 1 a 0. Depois, derrota para os gaúchos por 1 a 0 e vitória contra os paranaenses por 2 a 0.

No returno, a equipe conheceu a sua única derrota na Fonte Luminosa para o Maringá por 1 a 0, mas conseguiu se recuperar, vencendo o Avenida por 1 a 0. Fora de casa, perdeu para o já eliminado Joinville, também por 1 a 0, mas conseguiu a classificação como um dos melhores segundos colocados da competição.

Na segunda fase, encarou outra equipe paranaense, o Cianorte. No jogo de ida, na Fonte Luminosa, empate por 0 a 0. No jogo da volta , Locomotiva e Leão do Vale também ficaram no zero no estádio Albino Turbay e a partida foi para as penalidades. A derrota por 4 a 3 decretou o fim do time araraquarense na competição.

DEPOIS DE TRÊS ANOS, A LOCOMOTIVA FICOU FORA DA DECISÃO

Como consolo, restou a participação da equipe na Copa Paulista. A Ferroviária ficou no Grupo 1, ao lado de Comercial, Mirassol, Linense, Votuporanguense e Batatais.

Mesmo após eliminação na Série D, a equipe começou fulminante na competição estadual, engatando sete vitórias seguidas, podendo bater o seu próprio recorde de 2010, mas o empate contra o Linense por 2 a 2 na Fonte Luminosa impediu que chegasse a própria marca.

Ainda no primeiro turno, a Ferrinha já havia, praticamente, alcançado a classificação à próxima fase de grupos. O detalhe da primeira fase ficou por conta do Batatais, que acabou sendo punido pelo TJD, devido a manipulação de resultados da equipe na Série A3 do Paulista, perdendo por W.O os três últimos jogos, um deles para o time de Araraquara.

Na segunda fase, o time ficou no Grupo 5, com EC São Bernardo, Taubaté e Atibaia. Após alguns sustos, conseguiu a classificação com uma rodada de antecedência, mas ficou em segundo do grupo, perdendo a primeira colocação para o time do ABC no critério de saldo de gols.

Uma das novidades da competição foi a criação da terceira fase em formato de grupo e desta vez não deu para a Ferrinha. Diante de Mirassol, São Caetano e Santo André, a equipe não teve o mesmo brilho das outras edições e acabou sendo eliminada, antes de chegar a fase mata-mata.

MUDANÇAS NA LOCOMOTIVA

Até mesmo antes do ano terminar, o ciclo de Vinícius Munhoz no comando foi encerrado. A Ferroviária anunciou a venda de 50% das ações da Know-How para a MS Sports, se tornando a nova investidora do clube, tendo como cabeça Saul Klein, herdeiro das Casas Bahia.

Com a nova aquisição, o novo investidor optou por trazer junto o treinador Marcelo Vilar, que estava no São Caetano. A proposta para Munhoz foi para que ele continuasse no clube, mas acabou recusando o convite no último dia 23.

vinicius munhoz renovacao
Vinícius Munhoz foi o segundo treinador que mais comandou a Locomotiva na história desde o surgimento do clube-empresa, em 2003. – Crédito: Beto Boschiero / Ferroviária S/A