Início Ferroviária

Retrospectiva Grená 2019: As Guerreiras conquistaram o Brasil mais uma vez

A RCIARARAQUARA encerra a série Retrospectiva Grená com o time feminino da Ferroviária, que trouxe muitas alegras para o torcedor afeano e para a cidade de Araraquara com o inédito bicampeonato brasileiro

30
Guerreiras bateram o invicto Corinthians na grande final - Crédito: Jonatan Dutra / Ferroviária S/A

RCIARARARAQUARA encerra a Retrospectiva Grená com elas que fizeram o 2019 diferente para o torcedor da Ferroviária, além da modalidade ter feito muito sucesso em todo o Brasil, esperando que o crescimento seja maior ainda nos próximos anos.

Depois da saída do treinador Celso Boffa, as Guerreiras Grenás iniciaram o ano sob o comando da treinadora Tatiele Silveira, desconhecida do cenário paulista, mas com muito brilho no Sul, onde havia feito campanha impecável com o Internacional, perdendo apenas um jogo no ano de 2018 para o rival Grêmio, e havia conquistado o acesso ao Brasileiro A1.

A base do elenco foi mantida e algumas jogadoras foram contratadas, como a lateral Gabi Arcanjo, as volantes Maglia e Rafa Andrade, a meia Aline Milene e a atacante Nathane, além do retorno de velhas conhecidas, como a zagueira Andreia Rosa e da atacante Adriana Nenê.

Com a pré-temporada iniciada em janeiro, o primeiro desafio da Locomotiva aconteceu em 16 de março, com o Brasileiro Feminino e, no dia 31, o Paulista Feminino. Por ser um início de trabalho, a filosofia de jogo de Tatiele demorou para encaixar e o time amargou a parte debaixo da tabela, em certos momentos flertando com a zona do rebaixamento do torneio nacional.

Até a sétima rodada do Brasileiro, a equipe havia conquistado uma vitória, quatro empates e duas derrotas, ocupando a 11ª colocação. Porém, o amadurecimento em campo das jogadoras surtiram efeito e as duas vitórias seguidas antes da parada para a Copa do Mundo, em junho, fez a equipe figurar no G8, de onde não saiu mais, até conseguir a vaga às quartas de final.

No Paulista, terminou a primeira fase de grupos invicta, enquanto na segunda fase perdeu a invencibilidade para o Corinthians, principal rival da temporada e que realizaram embates que ficarão para a história da modalidade no país, mas conseguiu carimbar vaga às semifinais da competição.

Com o foco voltado para o Brasileirão, as Guerreiras encararam o Santos, segundo melhor campanha da classificação e a única a ter batido o Corinthians no ano. Em Araraquara, vitória das Sereias por 2 a 1. No jogo de volta e jogando pelo empate, o time santista abriu o placar, deixando a missão complicada para as comandadas de Tatiele Silveira.

Mas, a alcunha do time falou mais alto. Com dois gols de Nathane na segunda etapa de jogo, a virada foi decretada e a decisão se encaminhou para as penalidades. Luciana ditou o tom que levaria a equipe a conquista nacional, sendo a principal personagem do jogo, pegando dois pênaltis e carimbando a vaga às semifinais.

Luciana foi a principal destaque da Ferrinha no Brasileiro – Crédito: Jonatan Dutra / Ferroviária S/A

Pela frente, a determinada equipe do Avaí/Kindermann, da goleira selecionável Bárbara, principal destaque do time catarinense, e mais uma equipe que terminou superior na fase de classificação.

Com a desvantagem de decidir fora, as Guerreiras saíram perdendo na primeira etapa, quando tomou gols nos acréscimos. Na segunda etapa, de tanto insistir, a equipe conseguiu o empate com gol de cabeça de Thaicyane, também nos descontos, trazendo esperanças por uma classificação em Caçador.

Na partida de volta, após um primeiro tempo equilibrado, os gols aconteceram na segunda etapa. Mais uma vez, o Kindermann abriu placar, mas, minutos depois, Andreia Rosa, em nova jogada aérea, deixou tudo igual. Querendo decidir no tempo normal, as catarinenses foram pra cima, mas a trave e a goleira Luciana salvaram o time grená, levando a decisão para as penalidades mais uma vez.

E outra vez, a arqueira grená brilhou, pegando novamente duas cobranças de pênalti, carimbando assim a vaga a grande decisão do Brasileiro depois de cinco anos. O adversário foi o Corinthians, melhor campanha da competição e que eliminou o Flamengo na outra semifinal.

Segura o ímpeto corinthiano foi o mais difícil. A equipe vinha de 34 vitórias seguidas, um recorde que entrou para Guinness Book, e franca favorita a ficar com o título nacional. E com um adendo.

Simultaneamente, as equipes também se enfrentavam pelas semifinais do Paulista. Porém, com a derrota no primeiro jogo por 4 a 0, fez a Ferroviária abdicar do estadual, focando tudo para a grande decisão.

No primeiro jogo, disputado sob forte calor em Araraquara, a história começou a ser construída com o gol de Aline Milene antes do primeiro minuto de jogo. Porém, o time da capital conseguiu o empate ainda no primeiro tempo.

A segunda etapa foi mais cadenciada, com o Corinthians chegando um pouco mais ao gol grená, mas sem muito perigo para a goleira Luciana, assim como a Ferrinha não levou perigo até Lelê, deixando a decisão em aberto para o segundo jogo.

No meio da semana, pelo segundo jogo da semifinal do estadual, mais uma goleada do Timão, desta vez por 5 a 1, sendo eliminada da competição.

Mas, apesar dos dois placares dilatados, a grande final no Brasileiro foi totalmente diferente. Assim como na primeira partida, Tatiele Silveira apostou em três zagueiras, mas com Géssica na lateral, no lugar de Gabi Arcanjo, forçando o lado esquerdo com Barrinha e Aline Milene.

Porém, não foi o que se viu no Parque São Jorge, em São Paulo. Na fase mata-mata, Luciana chamou a responsabilidade e chegou para brilhar. Segurando uma pressão incrível do time da casa, a goleira se destacou, fechando o gol e também contou com a colaboração da trave, parar segurar o Timão.

Se no tempo normal se garantiu, nas penalidades não foi diferente. Em cobrança da lateral Tamires, Luciana fez defesa. O chute pra fora de Ingryd, do Timão, e a conversão de Géssica, sacramentou o placar de 4 a 2, fazendo a Ferroviária se tornar a primeira equipe bicampeão brasileira do futebol feminino.

VICE-CAMPEÃ DA LIBERTADORES

Em agosto, o Flamengo, que disputaria a Libertadores Feminina, anunciou desistência do torneio devido a disputa do Jogos Mundiais Militares, que coincidiria com as datas. O Rubro Negro já substituiria o Rio Preto, vice-campeão brasileiro de 2018, mas que se licenciou este ano.

Com isso, a Ferroviária, quarta colocada da última edição, ganhou vaga ao lado do… Corinthians, então atual campeão brasileiro.

Na primeira fase da competição, as Guerreiras ficaram no Grupo B, ao lado do Deportivo Cuenca-EQU, Estudiantes de Caracas-VEN e Mundo Futuro-BOL. Sem sustos, a equipe conseguiu a classificação ao bater as bolivianas por 10 a 1 e as venezuelanas por 4 a 1.

Já contra as equatorianas, derrota por 2 a 1, fazendo a equipe se classificar na segunda colocação do grupo. O destaque da primeira fase foi a atacante na Nathane. Contra o Mundo Futuro, a jogadora marcou cinco gols e foi a artilheira da competição com nove.

Nas quartas, o time araraquarense encarou a atual campeã da competição, o Atlético Hulia-COL, e, no sufoco, venceu por 3 a 2. Destaque para a volante Maglia, que anotou dois gols.

Nas semifinais, outra pedreira, o Cerro Porteño. Em um jogo muito disputado, a Locomotiva bateu as paraguaias por 2 a 1, chegando mais uma vez a uma final continental, repetindo o feito de 2015.

Em mais uma decisão, Ferroviária e Corinthians fizeram um jogo com um início equilibrado, mas desta vez não deu para as Guerreiras. Com segundo tempo superior, o Timão venceu por 2 a 0 e sagrou-se bicampeão da competição.

Vice-campeonato da Libertadores não ofusca campanha das Guerreiras em 2019 – Crédito: Tiago Pavini / Ferroviária S/A

OURO NOS JOGOS ABERTOS

Na última competição do ano, a Ferroviária coroou a grande temporada e conquistou ouro para Araraquara na modalidade futebol feminino nos Jogos Abertos do Interior, disputado na cidade de Marília.

De forma invicta, as Guerreiras bateram, na final, a Inter de Franca por 4 a 0 para subirem em primeiro lugar no pódio.