Início Política

Edinho vistoria estrutura para retorno parcial das aulas na rede municipal

Prefeito esteve na Emef Olga Ferreira Campos, no Jardim Universal, na tarde desta sexta-feira (9); Secretaria da Educação diz que escolas municipais estão estruturadas para prevenção da covid-19

34
Edinho não abre mão do retorno presencial das aulas

O prefeito Edinho visitou nesta sexta-feira (12) a Emef Olga Ferreira Campos, na região do Jardim Universal e do Parque das Laranjeiras, para acompanhar a estrutura montada pela Secretaria Municipal da Educação para a volta parcial e opcional às aulas presenciais na rede municipal de ensino, a partir de segunda-feira (12).

O retorno não será obrigatório, mas somente para o limite de até 35% dos alunos, com prioridade para as crianças e adolescentes em vulnerabilidade social e que tenham dificuldades com o ensino remoto.

“Todas as escolas foram equipadas com os produtos necessários para a segurança sanitária e prevenção da covid-19. Dispositivos com álcool gel, tapetes sanitizantes, distanciamento nas salas de aula e no refeitório (com locais demarcados), placas sobre uso de máscaras e lavagem das mãos, sinalizações no chão da escola para as crianças ficarem distantes umas das outras. A Educação estruturou todas as escolas para esse retorno”, afirma Edinho.

O prefeito ressalta que uma parcela importante das crianças e dos adolescentes em extrema vulnerabilidade tem dificuldades para a aprendizagem no ensino remoto. “Muitas vezes, o único aparelho que recebe sinal de celular é o telefone celular da mãe, e que precisa ser levado junto com ela porque é o seu instrumento de trabalho. Também temos estatísticas de aumento da violência contra as crianças, de abusos. Temos adolescentes mantendo contato com o crime organizado, com o tráfico de drogas. Meninas, muitas vezes, ficando vulneráveis às situações de prostituição”, destaca.

“Essa parcela das nossas crianças e adolescentes precisa ir para dentro da escola. É por isso que estamos defendendo que, para esses setores em que as famílias precisam muito, a escola esteja aberta. A perda educacional para essas crianças pode ser irrecuperável. Como dizia o mestre Paulo Freire, para ser educadora, a escola precisa ser acolhedora”, complementa Edinho.

Estiveram com o prefeito na visita a secretária municipal da Educação, Clélia Mara dos Santos, e a gerente de Proteção às Ações Covid-19 na Educação Infantil, Silvia Theodoro. A visita foi acompanhada pela diretora da Emef Olga Ferreira Campos, Maria José Júlio, além de educadoras e educadores da unidade escolar.

SEGURANÇA SANITÁRIA

Para a retomada segura, foi criada no âmbito do Comitê Municipal de Contingenciamento do Coronavírus, a Comissão Intersetorial de Discussão e Apresentação de Medidas e Protocolos de Proteção contra a Covid-19 no Ambiente Escolar, instituída pela Portaria nº 27.025, de 27 de agosto de 2020, e, a partir daí, o grupo elaborou o Protocolo Sanitário de Retorno das Atividades Presenciais dos Estabelecimentos da Rede de Educação Básica do Município, instaurado por meio de decreto municipal nº 12.398, de 28 de outubro de 2020.

Após o estabelecimento das medidas e regras sanitárias e de biossegurança de proteção ao contágio da covid-19 no ambiente escolar pelo protocolo, antes da definição do retorno das aulas presenciais neste dia 12, que leva em conta principalmente a situação epidemiológica do município avaliada diariamente pelo Comitê de Contingência do Coronavírus de Araraquara, as escolas da rede municipal empreenderam ampla consulta entre as famílias e responsáveis das crianças que fazem parte desses grupos prioritários para apurar o número de interessados no atendimento presencial.

No caso da Educação Infantil, o grupo prioritário para retorno são os alunos do período integral, não excedendo 35% do quantitativo de matrículas de cada uma das unidades. Já no ensino fundamental, o grupo prioritário corresponde às crianças e adolescentes que não interagiram com as atividades de 2020 propostas pelas escolas, por dificuldades diversas, tanto as dificuldades no diálogo mediado por tecnologia quanto com as atividades impressas, além daqueles alunos em situação de vulnerabilidade, na iminência de abandono escolar.