Início Destaques

Indicação pede inclusão de pessoas com deficiência em plano de imunização

Quase 25% da população brasileira possui algum tipo de deficiência, aponta documento encaminhado ao governo de São Paulo pelas vereadoras Fabi Virgílio e Filipa Brunelli 

37
As vereadoras Fabi Virgílio e Filipa Brunelli, ambas do PT, fizeram a indicação na sexta-feira (30)

Segundo dados levantados em 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pelo menos 45 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência, quase 25% da população do país. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as pessoas com deficiência são categorizadas como população vulnerável em situação de emergência de saúde pública, sendo, por isso, necessária uma especial atenção a este grupo populacional. Esta população apresenta, na sua generalidade, maior risco de contrair o vírus (saúde mais frágil, comorbidades associadas, mais problemas respiratórios e mais dificuldade na higiene das mãos, próteses, cadeiras e superfícies de contato); além de exposição e contato físico com cuidadores e terapeutas.

“As pessoas com deficiência não conseguem respeitar o necessário distanciamento social, pois necessitam de apoio para realizar as suas atividades diárias, como por exemplo: as pessoas com deficiência visual são obrigadas a tocar em inúmeras superfícies ou os utilizadores de cadeira de rodas, cujas mãos estão em contato com as rodas, os riscos são mesmo decorrentes de uma simples utilização do espaço público”, argumentam as vereadoras Fabi Virgílio e Filipa Brunelli, ambas do PT, em indicação apresentada na sexta-feira (30).

As parlamentares lembram a situação das pessoas com deficiência intelectual e dos autistas, na qual não é viável a observância das normas de distanciamento físico, uso prolongado de máscaras ou cobertura facial e outros requisitos de higiene sanitária. “Os autistas, em sua maioria, têm um comprometimento maior na comunicação verbal, muitos têm ausência total da fala e não são capazes de se expressar, dificultando em detectar a doença e dar assistência necessária aos sintomas iniciais. Vale enfatizar a dificuldade na coleta dos exames, devido a sua hipersensibilidade ao toque e a falta de entendimento, que dificulta a colaboração na coleta dos exames como o SWAB (cotonete longo e estéril)”, enfatizam.

Elas também ressaltam que, “ao mesmo tempo em que a pandemia se intensifica, ela se alimenta das desigualdades socioeconômicas pré-existentes associadas à deficiência, ameaçando exacerbá-las e impactando desproporcionalmente nessa população mais vulnerável”.

Por isso, as vereadoras solicitam ao governador de São Paulo que as pessoas com deficiência sejam incluídas no Plano Nacional de Imunização contra a covid-19.