Início Destaques

PSL quer fazer história com candidato próprio, diz presidente do partido

Com a participação apenas de alguns dos prováveis candidatos nas eleições municipais de novembro discutiu-se a formação de uma frente para enfrentar Edinho Silva e provavelmente Marcelo Barbieri

165
Marcos Custódio, presidente regional do PSL

Em encontro inicialmente considerado sigiloso reuniram-se na semana passada Luiz Cláudio Lapena Barreto o Doutor Lapena (Patriota) e Coronel Wagner Prado, do Podemos; Coca Ferraz, do PSL; Marcelo Caramuru, Milton Cardozo e Welson Alves Ferreira Júnior (DEM). O grupo discutiu a possibilidade de união para apoiar candidatura única nas próximas eleições municipais.

Cada um dos participantes do encontro fez uma análise do atual cenário político em nossa cidade, além de um relato sobre as propostas que buscam definir uma linha de conduta, já que o Patriota trabalha o nome de Lapena e o PSL tenta emplacar o professor Coca Ferraz. A formação de um único bloco, no entendimento da maioria, seria o mais viável, pois há o entendimento que a divisão beneficiará o candidato a reeleição – Edinho Silva, do PT. Sua vantagem tornar-se-ia mais visível se Marcelo Barbieri, do MDB, também entrar no páreo.

Um dos participantes do encontro disse três dias depois que foi apenas uma tentativa de reduzir o número de candidatos, sem, contudo – definições. “É interessante termos mais opiniões, análises, uma leitura que visa favorecer o centro-direita”, comentou.

MANIFESTAÇÃO DO PSL

Esta semana o presidente Marcos Custódio, do PSL, argumentou que a ausência dos presidentes dos diretórios municipais permitiu que os prováveis candidatos a prefeito fizessem uma exposição das suas intenções para início da pré-campanha: “Não há nada definido; não é por conta de uma reunião que julgamos proveitosa e oportuna que vamos já anunciar que o candidato a prefeito será este ou aquela; como existe um caminho de centro-direita é lógico que vamos permanentemente dialogar e somente o futuro vai decidir o que será melhor para cada partido e principalmente para a cidade”, justificou.

Para Custódio, a proposta do PSL segue buscando o fortalecimento da chapa de vereadores e com candidato próprio (Coca Ferraz). Ele argumentou ainda que a união é o ideal, no entanto, a chance do partido criar vínculos com a comunidade é agora: “Temos que contribuir na elaboração de uma nova história político-administrativa para Araraquara, com ideais, transparência e interesse coletivo. Esta é a nossa oportunidade”, completou.