Início Seu nome está na rua

Pimentel, o português que adorava dançar um tango com sua Elza

Nos seus tempos de Ferroviária e depois ADA, Pimentel aliou sua pinta de galã ao craque do futebol; Elza, se encantou com ele e ambos viveram uma vida repleta de alegrias. Recordá-los é trazer de volta a emoção de um tempo cheio de paz.

215
Elza e Pimentel, juras de um amor eterno

Antonio Pedroso Pimentel nasceu em Losan, distrito de Coimbra, Portugal, no dia 17 de abril de 1925, chegando ao Brasil ainda criança, tendo ido morar junto com toda família nas proximidades de Araçatuba, local onde fez seus primeiros estudos. Era filho de José Pedroso Pimentel, português e comerciante de vinhos e Mariana Conceição Perneda Pimentel. Antonio era o filho do meio, sendo seus irmãos, Aurora e Armando, ambos falecidos.

Em 1949, vindo para Araraquara para jogar futebol na Associação Ferroviária de Esportes, enamorou-se da cidade e aqui fincou suas raízes. No vigor dos seus 24 anos de idade, Pimentel como era mais conhecido, encantou os desportistas com suas jogadas de mestre.

Antes de chegar em Araraquara, residiu e jogou futebol defendendo times em várias outras cidades, tais como: Araçatuba, Campinas, São Paulo, Piracicaba e Rio Claro.

Duas fases marcantes na vida de Pimentel em Araraquara: a juventude e a melhor idade

Em Araraquara, fazendo footing na Rua São Bento, conheceu a jovem Elza Bessegato, com quem namorou e casou-se em 24 de dezembro de 1952, na Igreja Santo Antônio na Vila Xavier. Elza era natural de Cedral SP, filha de Frederico Bessegato e Palmira Lacotins Bessegato.

Do casamento de Pimentel e Elza, nasceram três filhos: Elanira, farmacêutica bioquímica, residente em São Paulo; Heraída, cirurgiã-dentista, casada com Reynaldo Marcili Júnior e mãe de Dênis, Daniel e Denise; e Heraldo, aposentado recentemente como diretor em uma das unidades do Sesi, casado com Rosane Berwert Faria Pimentel, pais de Heraldo Júnior e Aline.

Após ter encerrado sua carreira futebolística na Associação Desportiva Araraquara, a ADA, seu último clube, Pimentel tornou-se funcionário público integrando o quadro de servidores do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem – DER, e nesse órgão governamental, ocupou vários cargos, até a sua aposentadoria como chefe de oficina. No campo cultural, juntamente com sua esposa Elza, suas atividades estiveram ligadas à arte da dança, ministrando cursos e representando Araraquara em concursos e apresentações artísticas.

Cidadão digno, sua vida exemplar foi dedicada à família, ao esporte, ao trabalho e à cultura, despertando respeito e admiração em todos os que o conheceram, merecendo inúmeras homenagens em Araraquara.

Dançar fazia parte do melhor das suas vidas, ainda mais se fosse um tango

Antonio Pedroso Pimentel faleceu aos 75 anos, dia 15 de outubro de 2000, deixando muita saudade. Sua esposa Elza, continuou ministrando aulas de dança e representando Araraquara em eventos e apresentações artísticas com seu grupo. No final de setembro de 2013, Elza foi diagnosticada com embolia pulmonar e encaminhada à Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ela venceu na oportunidade mais uma etapa em sua vida para a alegria de todos nós.

O nome do antigo jogador da Ferroviária e da ADA está na rua através da Lei nº 5.664, de 30 de agosto de 2001, que denomina Rua Antonio Pedroso Pimentel, a via pública do município conhecida como “Rua 01”, do Loteamento “Jardim Victório Antonio De Santi II”, com início na Avenida Miguel Bucalen e término na Avenida Moacir Berwert, do mesmo loteamento.