Em tempos de Coronavírus um incêndio criminoso no Lixão

Cidade mostra-se estarrecida com o comportamento do ser humano que não prevê as conseqüências da sua bestialidade

169

No momento em que a comunidade em seu todo busca respirar um ar puro que é basicamente remédio natural para a saúde, Araraquara paga o preço da irresponsabilidade de indivíduos que não se atém ao drama ocasionado pelo coronavírus.

O incêndio provocado na área de Triagem e Transbordo da Estação de Tratamento de Resíduos da Construção Civil (ETRCC), localizada no Jardim Pinheiros, em pelo menos três pontos diferentes, fez com que a fumaça se alastrasse pela cidade.

Assim, quem acordou no domingo cedo sabendo que o ar fresco pela manhã ajuda a oxigenar os pulmões e beneficia a circulação do sangue, já que é o horário que se concentra menos impurezas no ar, estando disposto a caminhadas e exercícios viu que não era bem assim: só fumaça e cheiro de plástico queimado.

Situação em que ficou a área (Foto: VG Drone)

Nesta segunda-feira (31), durante a noite toda, foi possível perceber o cheiro e a fumaça no ar, fazendo com que moradores de vários pontos da cidade reclamassem principalmente na região da Vila Xavier, Vila Sedenho, Alameda Paulista e até mesmo no Jardim Universal, onde era possível visualizar a fumaça na área central da cidade.

Para os especialistas, dentre eles destacamos o pneumologista renomado, Marcos Arbex, tem dito que a respiração é fundamental para manter o bom funcionamento dos pulmões e de todo o corpo humano, sendo essencial para o nosso bem-estar.

O que ocorreu no sábado à noite no Lixão, proximidades do Pinheirinho, pouco ou nada vai saberão quem são os autores, mas além dos estragos ocasionados à Saúde Pública exigiu-se o trabalho dos bombeiros e profissionais do DAAE para o aterramento do material e a diminuição da propagação de fumaça. Além disso, a presença da Polícia Científica e a elaboração do Boletim Policial também não trarão bem estar e qualidade de vida às pessoas.

Numa circunstância como essa é evidente que o contribuinte estará pagando a conta por um ato irresponsável de cafajestes.

Nesta segunda-feira (30) o nosso homem-pássaro Higor Villa Gandra sobrevoou com seu drone a área totalmente destruída pelo fogo, lamentando também o ocorrido.

O QUE DIZ O DAAE

O Daae informa que o incêndio ocorrido na Área de Triagem e Transbordo da Estação de Tratamento de Resíduos da Construção Civil (ETRCC), no último sábado (28), as chamas e a propagação foram contidas na mesma noite de sábado e madrugada de domingo, por equipes do Corpo de Bombeiros, com o auxílio de caminhões-pipa do Daae.

As equipes prosseguiram com os trabalhos nestas segunda e terça-feira, com o intuito de conter a emissão de fumaça do incêndio, em tese criminoso e que está sob investigação da Polícia Civil.

Por se tratar de resíduos de vegetação, mesmo não havendo mais fogo e chamas no local, há a permanência da emissão de fumaça pela própria característica do material queimado.

Neste sentido, equipes do Daae trabalham no local, ininterruptamente, para revolver as leiras e ao mesmo tempo abafar com terra o material queimado. A previsão é que os serviços de abafamento sejam concluídos amanhã.

O superintendente do Daae, Donizete Simioni, a diretora de Gestão Ambiental, Katia Matteo, o gerente de Resíduos Especiais, Marcos Scalize e o gerente de Fiscalização e Licenciamento Ambiental, Artur Osório, estiveram hoje (31/03) na ETRCC, junto com representantes do Corpo de Bombeiros, que avaliaram o procedimento adotado pelo Daae como correto.