Início Cultura e Lazer

Trupe araraquarense comanda o Festival Toca da Arara de Artes Cênicas; inscrições estão abertas

Comemorando oito anos de atividades, a Cia Cais do Porto seleciona apresentações artísticas e atividades formativas nas áreas de teatro, dança e circo; evento ocorre em julho

57
Evento é uma realização da Cia Cais do Porto por meio do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, Lei Aldir Blanc, Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. (Foto: Divulgação)

A primeira edição do Festival Toca da Arara de Artes Cênicas está com inscrições abertas e gratuitas (link) até o dia 31 de maio.  Marcado para ocorrer de 02 e 31 de julho de 2021, o evento é uma realização da Cia Cais do Porto por meio do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, Lei Aldir Blanc, Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

De abrangência estadual, serão selecionadas apresentações artísticas e atividades formativas nas áreas de teatro, dança e circo, voltadas para todos os públicos. A curadoria será formada por profissionais das diferentes áreas.

Conforme as orientações de isolamento social relacionadas à pandemia da COVID-19, a atividade será remota. “A organização busca trabalhos que utilizem a tecnologia para sua exibição, sejam eles online e realizados em tempo real, ou gravados e adaptados para o contexto virtual”, informa a Cia Cais do Porto.

O 1ª Edição do Festival Toca da Arara de Artes Cênicas marca a comemoração dos 8 anos de atuação da Cia., sediada em Araraquara, bem como faz uma homenagem à origem indígena do nome da cidade, cujo significado é “Toca das Araras”.

 COXIA

Entre tantas atividades realizadas pela Cia Cais do Porto, em primeiro lugar, está a produção teatral para o público adulto e infanto-juvenil. Suas produções atuam na defesa dos direitos humanos e da cidadania, promoção cultural, democratização do acesso à arte e cultura e estímulo ao diálogo intergeracional e multicultural.

(Por Matheus Vieira)