Centenas de presos fogem após rebelião em presídios de SP

Motins teriam sido motivados pela proibição do governo à saída de detentos do regime semiaberto em razão do avanço do coronavírus

868

Presos de cinco penitenciárias paulistas se rebelaram nesta segunda-feira, dia 16, em Mongaguá (Baixada Santista), Taubaté (Vale do Paraíba), Tremembé, Porto Feliz e Mirandópolis (interior de São Paulo), segundo informações do sindicato dos agentes penitenciários. No presídio do litoral, centenas de presos fugiram.

As unidades são destinadas a presos que cumprem pena no regime semiaberto. As rebeliões teriam começado após o governo do Estado vetar a saída dos presos no início do dia, como ocorre habitualmente, em razão do avanço do coronavírus.

A Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo confirmou que houve rebeliões no Estado, mas não especificou em quais presídios.

De acordo com informações recebidas pelo Sindicato do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (SIFUSPESP), há cerca de 8 reféns entre os presos em meio ao motim. A rebelião seria uma reação dos presos diante da suspensão das saídas temporárias e das saídas para o trabalho, determinada pelo Tribunal de Justiça como prevenção ao coronavírus.

Monguagua/SP
400 presos fugiram
Possui reféns não informado número estão

Mirandopolis/ SP
926 presos fugiram
Sem reféns

Taubate/SP
30 presos fugiram
Sem reféns