Início Destaques

Edinho comunica cortes e outras mudanças para os servidores

Diretoria do Sindicato vai se reunir na manhã desta quinta-feira (2) para decidir as medidas políticas e jurídicas que podem ser tomadas diante dos anúncios feitos pelo prefeito em reunião

2921

Em reunião na tarde desta quarta-feira, 1 de abril, o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), comunicou os diretores do SISMAR sobre várias medidas que a Prefeitura pretende tomar e que vão mexer diretamente na vida financeira dos servidores, segundo a entidade.

Nesta quarta-feira ainda o sindicato disse que não houve concordância com nenhuma delas e o assunto será discutido em reunião de diretoria e ouvindo a categoria em assembleia. O que houve foi uma comunicação do prefeito de que pretende adotar tais medidas, por meio de um projeto a ser enviado para a Câmara Municipal e que ainda está em estudos por conta da Covid-19 que poderá avançar a partir da segunda quinzena de abril.

De acordo com o sindicato a Prefeitura Municipal estaria apresentando uma série de medidas diante da crise:

1- Criar banco de horas para não pagar horas extras

2- Cortar benefícios de quem está em casa (insalubridade, periculosidade e outras)

3- Se quadro em relação à Covid-19 não mudar até a segunda quinzena de abril, antecipar férias escolares para maio

4- Em último caso, redução de 25% jornada e do salário

O SISMAR já se manifestou e diz ser contra essas medidas, pois afetam os salários dos servidores. “Compreendemos a situação inédita dos cofres públicos, mas discordamos que o servidor deva pagar essa conta”, explica a entidade, que vai se reunir nesta quinta-feira 2), juntamente com o departamento jurídico, para estudar quais as respostas políticas e jurídicas dará ao caso.

MEDIDAS

O SISMAR afirma que “há décadas os servidores têm sido desvalorizados, seja por reajustes abaixo da inflação, planos de cargos destruidores de carreiras e precarização das condições de trabalho. Muitos servidores precisam levar material de trabalho de casa”, diz.

Considerando o reconhecimento do prefeito de que quem carrega a prefeitura nas costas e quem vai lutar e derrotar o coronavírus na cidade são os servidores públicos municipais, não há que se falar em corte nos salários deles neste momento.

Outro comentário é feito na nota elaborada pelo sindicato – de que a abertura de dois CERs a partir desta quinta-feira (2), para atender 25 crianças (11 na creche Nossa Senhora do Carmo das 6h30 às 14h e 15 no CAIC Rubens Cruz das 7h30 às 14h30), leva o SISMAR a reivindicar da Prefeitura que seja providenciado o Equipamento de Proteção Individual (EPI), além do treinamento específico para os servidores que forem chamados para trabalhar nestas unidades, assegurando que o SISMAR é contra a abertura das unidades. Somos a favor de manter as famílias assistidas, porém não nos locais de trabalho, mas em suas casas. Neste caso, o sindicato queria que a Prefeitura pagasse através de um bônus os servidores que precisam trabalhar e não têm com quem deixar os filhos. Mas a conversa não avançou.

O SISMAR também cobrou do prefeito que não haja desconto dos servidores que estejam se atrasando por causa das mudanças nas linhas de ônibus. Segundo Flávia Dottoli, o RH já foi orientado a não proceder descontos nestes casos. O Servidor que tiver problemas em relação a isso, deve procurar imediatamente o SISMAR.