Crônica da Cidade

26

“E agora, Orlando?”, por Ivan Roberto Peroni