Depois do Boliche a chegada do Gimba, primeiro “self service” de...

No final dos anos 60, Araraquara com seus 58 mil habitantes era uma cidade emergente no interior; para ela tudo ia bem e nela os investidores tinham certeza de retorno garantido. Uma das maiores investidas de Aparecido Dahab, o “Aparicio”, foi a área de alimentação, convocando para ser parceiro o cunhado José Aboud, logo após o fechamento do Boliche, a “febre” da cidade naquela época. Curioso contudo era a desconfiança sobre a novidade que chegara: “como pesar aquilo que vou comer”.

Nhô Zélio, o caipira vereador da Brasil FM

“Nhô Zélio”, o caipira alegre e diferente como sempre foi chamado no rádio é um dos raros profissionais da cidade a ter seu nome mencionado no Domingão do Faustão.

Eternamente, o Escurinho da Cantina do Nhô Bento, pai do Buíra

A emergente cidade dos anos 60 parecia mergulhada em querer descobrir as novidades. Tempos em que os gaúchos começavam a vir para montar churrascarias; as raras pizzarias habitavam o centro; bares e lanchonetes se diluíam envolvidas pela tradição brasileira e há quem apostava na tendência das cantinas. Foi o que fez o querido “Escurinho”.

O militar que trouxe o Corpo de Bombeiros para a nossa...

Em 1965 a Prefeitura Municipal cobrava uma Taxa de Extinção de Incêndio e Salvamento sem contudo ter uma unidade do Corpo de Bombeiros. Ao assumir a Prefeitura, Rômulo Lupo decidiu reparar a situação, aproveitando a reestruturação da corporação em São Paulo e o empenho de um militar chamado Adalberto Lucatelli.

Os tempos românticos da cidade, no Restaurante “Dom Manoel”

Já era madrugada e o pessoal da mesa 04 ainda estava lá. Quase todas as noites era assim: eles se juntavam e ficavam horas e horas, cumprindo um ritual que começou no Bar do Freitas, na Praça Newton Prado, em frente a estação ferroviária em 1948. Dalí a família Freitas se transferiu 20 anos depois, indo para a Estação Rodoviária que acabara de ser inaugurada.

O trabalho de Aparício Dahab e sua histórica Kibelanche

Em dezembro de 2015, a Kibelanche completou 54 anos de atividades; durante pelo menos 35 anos, funcionou no principal corredor comercial da cidade, a Nove de Julho.
Capa certa 01

Nos campos do açúcar a forja da sobrevivência

Conhecido e disputado no meio rural, pela honestidade e competência, João Floriano têm feito parcerias com proprietários de terra ao longo da vida.

MAIS LIDAS

Tristeza no Vista Alegre: mais um caso de violência doméstica na...

Mais um caso de violência doméstica envolvendo um casal ocorreu na madrugada desta segunda-feira na região. Dessa vez em Américo Brasiliense, na Rua Borborema,...

PODCASTS

SEU PET

UTILIDADE PÚBLICA